Serviço para fundar sigla pode custar R$ 400 mil

Advogado monta diretórios estaduais, coleta assinaturas de apoiadores e entrega o trabalho burocrático praticamente pronto

Gilberto Amendola, O Estado de S.Paulo

10 de maio de 2016 | 18h05

O advogado Marcílio Duarte Lima tem como ofício e hobby organizar e ajudar na criação de partidos. Pelas contas do próprio, ele esteve envolvido diretamente na montagem de “sete ou nove legendas – e indiretamente em mais de 20”. Uma de suas últimas obras foi o Solidariedade (SD), do deputado federal Paulo Pereira da Silva, o Paulinho da Força.

Lima diz não fazer distinção ideológica na hora de colaborar com um novo partido. “Seria como se um médico, antes de ajudar um doente, quisesse saber a origem social do paciente”, compara. Com seu expertise, o advogado monta diretórios estaduais, coleta assinaturas de apoiadores e entrega o trabalho burocrático praticamente pronto. O SD, por exemplo, nasceu em oito meses. Seus honorários podem chegar a R$ 400 mil. Segundo o advogado, a proliferação de legendas – 18 com processos avançando no TSE – não é um problema, pois, segundo ele, só os grandes estão envolvidos em escândalos de corrupção.

Sobre a inconsistência ideológica, Lima tem a solução. “Sou a favor dos institutos e da formação de militância.” Para ele, os políticos que criticam a criação de legendas estão preocupados é com a divisão do Fundo Partidário. “Uma democracia precisa ser plural. E os partidos só reforçam essa pluralidade.”

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.