Serristas elevam tom e ameaçam boicotar convenção

PSDB paulista avalia que, do jeito que a cúpula está sendo moldada, fica pavimentada indicação de Aécio como candidato a presidente em 2014

Julia Duailibi, de O Estado de S. Paulo

23 de maio de 2011 | 23h59

Diante da falta de acordo para a composição da Executiva Nacional do PSDB, aliados do ex-governador José Serra ameaçam boicotar a convenção do partido, no sábado, em Brasília. A disputa pelo controle da direção partidária evidencia o clima já acirrado entre os tucanos na tentativa de influenciar os rumos da sigla na eleição presidencial de 2014.

 

Nesta segunda-feira, 23, o presidente nacional do PSDB, deputado Sérgio Guerra (PE), encontrou o governador Geraldo Alckmin, no Palácio dos Bandeirantes, para discutir a composição da nova cúpula partidária. Depois, esteve com representantes da bancada paulista, na sede do PSDB na capital.

 

Tanto o governador quanto os parlamentares insistiram na indicação de Serra para a presidência do Instituto Teotônio Vilela (ITV). Num discurso uníssono, também pediram que o novo secretário-geral seja uma indicação da bancada paulista.

 

A presidência do ITV, no entanto, foi prometida ao ex-senador Tasso Jereissati (CE), apoiado pela maioria dos senadores e, em especial, por Aécio Neves (MG), que defende a reeleição do deputado Rodrigo de Castro (MG) para a secretaria-geral.

 

Guerra, que encontraria nesta segunda o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, não se comprometeu com as demandas e sinalizou só a necessidade de composição. Sem entrar em detalhes, elogiou o ex-governador Aberto Goldman, um dos cotados pelos paulistas para a secretaria-geral. "São os pleitos sobre os quais eu já tinha conhecimento", disse Guerra, ao sair da reunião. "O que o governador Geraldo pedir o partido dará atenção."

 

Questionado se a indicação de Tasso já estava consolidada, ironizou: "Nem a minha está". Tucanos ameaçam questionar na Justiça a recondução de Guerra, caso seus pleitos não sejam acatados.

 

A despeito da disputa pelo controle do PSDB em São Paulo, Alckmin tem defendido a indicação de Serra ao ITV para mostrar empenho pela unidade da sigla e por considerar importante dar ao ex-governador uma representação institucional no PSDB.

 

Ao lado do coordenador da bancada paulista do PSDB, Luiz Fernando Machado, o líder da sigla na Assembleia, Orlando Morando, insistiu nos dois pedidos na reunião desta segunda. "É o maior Estado da federação", afirmou Morando, segundo quem os paulistas farão "pressão total" para ficar com as duas vagas.

 

Acordo. Parlamentares ligados a Serra dizem que não vão participar da convenção se não houver acordo. Nesta segunda, lideranças do Rio Grande do Sul, Paraná, Espírito Santo e Bahia, entraram em contato com os paulistas para dizer que também defendem Serra no ITV e maior participação dos Estados na Executiva.

 

Para os serristas, Guerra tem apoio de Aécio para ser reeleito. A avaliação é que, do jeito que a cúpula está sendo moldada, já fica pavimentada a indicação do mineiro como candidato a presidente, e eles não querem isso mais de três anos antes da disputa.

 

A convenção reunirá cerca de 600 delegados. Eles vão eleger 213 membros do diretório nacional, que votam na chapa da Executiva.

Mais conteúdo sobre:
SerraExecutivaPSDBconvenção

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.