Serra volta a criticar Bolívia e diz que não perdeu vice: 'Só se perde o que tem'

Tucano também afirmou que já sabia há vários meses que o ex-governador de Minas Gerais não iria concorrer à vice-presidência

Elder Ogliari, de O Estado de S.Paulo

27 Maio 2010 | 18h45

GRAMADO - O pré-candidato do PSDB à Presidência da República, José Serra, comentou nesta quinta-feira, 27, a acusação que fez ontem ao governo boliviano, chamando-o de cúmplice do tráfico de cocaína daquele país ao Brasil. Serra perguntou aos repórteres:"Vocês já ouviram falar de algum controle do governo boliviano com relação a esse contrabando que entra no Brasil? Eu nunca ouvi falar."

 

Veja também:

https://politica.estadao.com.br/estadao/novo/img/icones/mais_azul.gifDirceu: declaração de Serra cria um incidente diplomático    

https://politica.estadao.com.br/estadao/novo/img/icones/mais_azul.gifGoverno da Bolívia é 'cúmplice' de traficantes, diz Serra

https://politica.estadao.com.br/estadao/novo/img/icones/mais_azul.gifAécio estava descartado como vice de Serra há 6 meses, diz Guerra

 

O pré-candidato, que se encontra em Gramado participando do 26º Congresso Nacional de Secretários Municipais de Saúde, explicou o que o Brasil deveria fazer nesse caso. "A meu ver, o Brasil deveria falar com o governo boliviano, fazer gestões, pressionar para que controlem a exportação ilegal de cocaína para nossa juventude. Essa que é a questão fundamental".

 

Serra afirmou que não está propondo nenhuma intervenção dentro da Bolívia. "Eu trato a Bolívia como um país independente, com autodeterminação. Mas como a Bolívia exporta droga para o Brasil, é impossível que o governo não possa controlar isso", disse.

 

O tucano também afirmou que já sabia há vários meses que o ex-governador de Minas Gerais, Aécio Neves, não iria concorrer à vice-presidência. Indagado se isso mudaria alguma coisa, Serra respondeu com outra pergunta: "Como pode mudar, se nunca mudou?"

 

Questionado ainda se perdeu um bom candidato a vice, Serra respondeu: "Você só perde o que tem. Ele não era candidato a vice."

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.