Serra vai estrelar programa do DEM

Discurso de tucano no lançamento da pré-campanha vai se sobrepor às falas de líderes democratas

Eugênia Lopes / BRASÍLIA - O Estado de S.Paulo

25 Maio 2010 | 01h04

O tucano José Serra, pré-candidato à presidência da República, será a estrela do programa partidário de televisão do DEM, que vai ao ar nesta quinta-feira, dia 27. Sob a coordenação do jornalista Luiz Gonzales, o marqueteiro da campanha tucana, a cúpula do DEM vai usar o programa partidário para fazer críticas ao governo do PT.

 

A ideia é entremear a fala dos democratas com as imagens e o discurso de Serra durante o pré-lançamento de sua campanha, no dia 10 de abril, em que o DEM estava na condição de partido aliado.

 

Com o programa, o comando da campanha de Serra espera alavancar sua candidatura, com uma superexposição da imagem do tucano. A estratégia pretende reverter as últimas pesquisas de intenção de voto em que Serra apareceu empatado com a pré-candidata petista, Dilma Rousseff.

 

Além de Serra, o programa de dez minutos terá a participação do presidente do DEM, Rodrigo Maia (RJ), e os líderes do partido na Câmara, Paulo Bornhausen (SC), e no Senado, José Agripino Maia (RN).

 

Pela primeira versão do roteiro, a abertura do programa será feita pelo líder Bornhausen. Nela, o deputado fala das conquistas do partido, como a derrubada da Contribuição Provisória sobre a Movimentação Financeira (CPMF) e aprovação, na semana passada, do projeto de lei conhecido como Ficha Limpa, que impede a candidatura de políticos que forem condenados por órgãos colegiados.

 

O senador Agripino Maia deverá ser o segundo democrata a falar e terá uma inserção mais crítica, com ataques dirigidos ao governo PT. Já o presidente Rodrigo Maia não gravou participação para o programa: o marqueteiro Gonzales decidiu usar trechos de seu discurso no pré-lançamento da candidatura de Serra. "Ainda não há uma decisão se o Serra vai aparecer ou não no programa", desconversou Maia.

 

As falas dos democratas deverão ser bem curtas. A maior parte dos 10 minutos será dedicada ao discurso do tucano. Com esta fórmula, o DEM espera escapar da Justiça Eleitoral e evitar que o programa seja suspenso.

 

O temor do partido é que o Tribunal Superior Eleitoral conceda liminar, a exemplo do que ocorreu na semana passada com o DEM de São Paulo, que teve a inserção desta quinta suspensa sob o argumento de que o programa fugiu dos propósitos de mera propaganda partidária.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.