Serra usa direito de resposta em programa do PT

O candidato do PSDB à Prefeitura de São Paulo, José Serra, fez uso, na noite desta sexta-feira, do direito de resposta concedido pela Justiça Eleitoral contra o petista Fernando Haddad. Na TV, a campanha de Serra desmentiu que o caminhoneiro José Machado estivesse esperando há dois anos por uma cirurgia de catarata e colocou um especialista para explicar a doença de Machado. "Isso é enganoso. A verdade é que não há fila para operação de catarata no sistema público de saúde de São Paulo", disse o narrador da propaganda tucana.

DAIENE CARDOSO, Agência Estado

21 de setembro de 2012 | 21h57

No início da semana, a campanha de Serra conseguiu um direito de resposta de 2min26s pela propaganda em que o petista acusou o tucano de "desmoralizar" o caminhoneiro José Machado. Por determinação da Justiça Eleitoral, Serra teve de explicar que não acusou o caminhoneiro de mentir, mas sim o PT. "Serra jamais questionou o paciente, nem teve qualquer intenção de ofendê-lo, humilhá-lo, desmoralizá-lo. Ao contrário, Serra se solidariza com o senhor José Machado, torce para que ele seja bem sucedido na operação que fará", ressaltou o narrador. Na época em que foi mostrado no programa de Haddad, Machado teve seus dados médicos divulgados pela Prefeitura sem autorização.

"Segundo laudos médicos, o senhor Machado tem uma doença chamada pterígio (crescimento de pele sobre a córnea)", destacou o narrador. Um médico especialista explicou que é comum a população confundir pterígio com catarata, mas ressaltou que são doenças distintas. Segundo a campanha, a doença do caminhoneiro é reincidente e, por isso, é mais agressiva. O caminhoneiro deverá se submeter a uma cirurgia para depois avaliar a necessidade de tratamento contra catarata.

Já em seu programa, Serra mostrou suas realizações como prefeito e governador, entre elas o Rodoanel, a duplicação da Marginal do Tietê e a expansão do Metrô. O tucano também destacou os projetos de sua iniciativa que beneficiaram os trabalhadores e os programas ambientais desenvolvidos em sua administração. "A cidade precisa de mais verdes e mais parques", defendeu o candidato.

O petista Fernando Haddad dedicou seu programa de TV para falar de transporte público que, segundo ele, "maltrata" a população. Com imagens de trens e ônibus lotados, Haddad disse que a cidade sofre de um "apagão do transporte" e que, para isso, investirá em corredores de ônibus, parceria para a ampliação da rede metroviária e implantação do Bilhete Único Mensal, uma das principais propostas de sua campanha.

Outro destaque do programa foi a visita do candidato à favela do Moinho, na região central. Chamado de homem que "sente a dor das pessoas", Haddad criticou a ausência do poder público no atendimento dos moradores que perderam suas casas em um recente incêndio na favela. "Tenho andado pelos bairros e visto o sofrimento das pessoas", declarou o petista, ressaltando que tem com a população carente o mesmo compromisso da presidente Dilma Rousseff e do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

O peemedebista Gabriel Chalita trouxe para o seu programa eleitoral a experiência do Rio de Janeiro no monitoramento de vias públicas e disse que, se eleito, pretende implementar o mesmo projeto de segurança em São Paulo. Ao lado do prefeito e candidato à reeleição no Rio, Eduardo Paes (PMDB), Chalita disse que o projeto carioca é fruto da integração entre governos estadual e federal. "Parece filme de ficção científica, mas é realidade no Rio de Janeiro", afirmou o candidato.

O líder das pesquisas de intenção de voto, Celso Russomanno (PRB), repetiu o programa onde se apresentou como "um homem novo, mas novo de verdade" para uma cidade "abandonada à própria sorte". Miguel Manso (PPL) criticou a existência de R$ 8 bilhões de recursos no caixa da Prefeitura enquanto a cidade necessita de investimentos. "É o método tucano de governar", atacou.

Soninha Francine (PPS), Paulo Pereira da Silva (PDT), Levy Fidelix (PRTB), Carlos Giannazi (PSOL), José Maria Eymael (PSDC) e Anaí Caproni (PCO) repetiram os programas apresentados no horário eleitoral gratuito desta tarde. O PSTU da candidata Ana Luiza Figueiredo usou seu tempo de TV para divulgar os candidatos do partido em São Bernardo do Campo, Guarulhos e Diadema.

Tudo o que sabemos sobre:
eleições 2012SPpropaganda eleitoral

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.