Serra terá que se explicar se deixar a prefeitura, diz Berzoini

O presidente nacional do PT, deputado Ricardo Berzoini, disse nesta segunda-feira que o prefeito de São Paulo, José Serra (PSDB), terá que se explicar à população da cidade caso opte por deixar o cargo para disputar a corrida presidencial deste ano. Ao comentar qual dos pré-candidatos tucanos seria mais forte na disputa com o presidente Lula, Berzoini reconheceu que o governador paulista Geraldo Alckmin (PSDB-SP) enfrenta o problema de não ser tão conhecido nacionalmente, mas reservou a maior parte de seus comentários ao prefeito paulistano. "O prefeito de São Paulo, José Serra, se sair candidato, vai ter que se explicar", disse Berzoini, durante a gravação do programa Roda Viva, da TV Cultura, que irá ao ar na noite desta segunda-feira, mas foi gravada na manhã de hoje.Logo após a gravação, o presidente do PT elevou o tom, sugerindo inclusive que Serra tem o desafio de manter sua palavra diante do eleitorado. "Evidentemente, isso será um fato político e não será sequer o PT que vai cobrar, mas a própria opinião pública vai cobrar, porque a palavra é algo muito valorizado hoje - não só hoje, mas de maneira geral - em relação aos políticos. Portanto, qualquer tipo de incoerência pode ser cobrado."Fernando HenriqueO deputado aproveitou para retomar as críticas ao ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, em função da entrevista concedida por ele à revista IstoÉ. Na ocasião, Fernando Henrique fez uma série de ataques ao PT, afirmando, inclusive, que a "ética do PT é roubar". O embate entre o presidente do PT e Fernando Henrique tomou parte significativa da entrevista gravada hoje por Berzoini. Escassez de liderançasBerzoini reconheceu hoje que seu partido enfrenta uma escassez de grandes lideranças que possam ser comparadas ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Apesar de insistir que a legenda é competitiva e tem condições de fortalecer outros nomes ao longo dos próximos anos, o deputado apontou que ainda há uma distância entre a imagem construída por Lula ao longo das últimas décadas e as demais lideranças existentes dentro da legenda. "É óbvio que a liderança do presidente Lula é muito maior que a média das lideranças que nós temos no PT", disse.Sem citar nomes, o presidente do PT ressaltou também a existência de diversos nomes que se enquadrariam nessa estratégia, como candidatos petistas que deverão disputar governos de diversos Estados, em alguns casos em busca da reeleição. De acordo com ele, pesquisas de opinião que mostram o PT como favorito mesmo depois dos problemas surgidos com a crise política ajudam a comprovar que o petismo também tem força em todo o País.MensalãoBerzoini disse a denúncia de existência do mensalão não se confirmou e que o fato de alguns petistas terem cometido erros graves não significa que exista uma corrupção sistêmica dentro do governo Lula. Segundo ele, o importante para o PT no atual momento é tratar com coragem e franqueza a questão da ética junto a seus eleitores. Ética"O PT não pode abrir mão da bandeira da ética", disse o presidente petista, durante a gravação do programa. "Tem que ter coragem e franqueza para tratar dos problemas que apareceram dentro do partido". Berzoini reconheceu que seria um erro tentar fugir do tema da ética nas eleições, mas insistiu que o partido não pode aceitar que o debate fique centrado exclusivamente nesse assunto. "O fundamental é o PT não deixar o debate se concentrar nessa questão pois a oposição quer levar o debate para esse lado". Segundo ele, esta é uma estratégia que estaria sendo desenhada por opositores por "não terem o que falar" no que se refere ao balanço do governo Lula.Berzoini fez questão de assumir que o PT cometeu uma série de erros, mas também disse ter chegado à conclusão de que não se pode "demonizar" alguns dos nomes envolvidos nos escândalos que eclodiram ao longo dos últimos meses. Além disso, ressaltou que as falhas não podem ser estendidas ao PT como um todo e à história que a legenda construiu ao longo de sua existência. "O PT cometeu erros? Cometeu. Petistas incorreram em decisões absolutamente ilegais? Sem dúvida", disse Berzoini. "Agora, criminalizar um partido cuja história de combate à corrupção é reconhecida pela população, isso nós não aceitaremos".HumildadeTanto durante a gravação do programa quanto na entrevista concedida aos jornalistas que o aguardavam na saída, Berzoini fez questão de dar um tom de humildade à forma como o PT pretende ingressar nas próximas eleições. Perguntado pelos entrevistadores se o partido está preparado para uma eventual derrota do presidente Lula, Berzoini insistiu que o PT nunca teve a impressão de que poderia "vencer as eleições por inércia". "Eleições, alguns vencem e outros perdem. O PT tem que estar preparado", respondeu o deputado.Aniversário do PTHoje o PT comemora com um jantar os 26 anos de sua fundação. A expectativa é de que o presidente do PT dê algumas declarações ao vivo à TV Cultura logo antes da exibição do programa gravado, diretamente do jantar de aniversário da legenda. O evento, que acontece em Brasília, contará com a presença dos principais nomes da sigla, inclusive do presidente Lula.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.