Serra tem mais chances de ser candidato do PSDB, diz Aécio

Governador de MG afirma ainda que Dilma Rousseff garantirá 'uma disputa de alto nível' às eleições de 2010

Agência Brasil,

03 de junho de 2009 | 17h07

O governador de Minas Gerais, Aécio Neves (PSDB), reconheceu nesta quarta-feira, 3, que as chances de o governador de São Paulo, José Serra (PSDB), ser o candidato do partido às eleições presidenciais do próximo ano são maiores do que a candidatura dele próprio. "A probabilidade de o Serra ser candidato hoje é maior do que a de eu ser candidato", disse em entrevista ao programa 3 a 1, da TV Brasil, que vai ao ar nesta quarta às 22 horas. "Vou apoiar o candidato que as bases do meu partido escolher. Se o Serra for candidato, serei o mais dedicado soldado do partido."

 

Aécio voltou a defender as prévias partidárias como a melhor forma de escolha do candidato de 2010 e disse que ainda está na disputa pela candidatura. Para isso, ele e José Serra já estabeleceram uma agenda de eventos por todo o país para conversar sobre grandes temas de campanha. "Vamos eleger três ou quatro bandeiras e, a partir daí, definir qual é o melhor candidato".

 

Ele ainda admitiu que a ministra-chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff, garantirá "uma disputa de alto nível" às eleições, caso realmente seja a candidata do governo à presidência. "Ela é uma candidata à altura do amadurecimento da democracia brasileira", disse. "Nas pesquisas, acho que ela ainda não atingiu o patamar mínimo que um candidato com apoio do presidente pode atingir. Esse mínimo é de 30%. Ela chegará a isso no final deste ano. A partir daí, a luta é outra. O poder de influência do presidente Lula diminui muito e passa a contar apenas a imagem da candidata."

 

Desconstrução de Lula

 

Para o governador mineiro, os candidatos nas próximas eleições precisam se unir em torno de uma agenda de temas comuns para, depois, pensar em um projeto de "convergência". Segundo ele, o maior erro do PSDB seria centrar sua campanha na tentativa de "desconstrução" da imagem do presidente Lula.

 

"A gestão do governo federal tem falhas enormes. O diferencial que o governo tem se chama Luiz Inácio Lula da Silva. Ele é mais que um político. Se soubermos equilibrar os nossos erros e fragilidades teremos chance. E aí, a certeza do retorno dele [de Lula] em 2014 pode ficar um pouco mais complicada", comentou.

 

Aécio Neves fez elogios à atual política, disse que o governo de Lula será lembrado como um processo contínuo iniciado no governo de Fernando Henrique Cardoso. "Foi lá que se iniciaram os programas de geração de renda. Veio o governo Lula e, responsavelmente, manteve os parâmetros macroeconômicos e avançou nos programas sociais". Mas fez críticas à gestão pública. "O governo virou as costas para a gestão e confia na popularidade do presidente Lula. Só que o presidente Lula não é candidato nas próximas eleições."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.