Serra responsabiliza PT por debate eleitoral antecipado

Tucano culpa também o governo federal por discussão fora de época

Silvia Amorim, O Estadao de S.Paulo

19 de maio de 2009 | 00h00

Na liderança das pesquisas para a disputa à Presidência da República em 2010, o governador de São Paulo, José Serra (PSDB), acusou ontem o governo federal e o PT pela antecipação do debate eleitoral. O tucano tem criticado frequentemente a discussão do tema, faltando mais de um ano para a eleição. Serra defendeu o PSDB. "O PSDB não está (antecipando a campanha eleitoral). Eu posso garantir", disse. "Se alguém antecipou o processo eleitoral do ano que vem é do lado do governo e do PT. Isso não tem a menor dúvida."O paulista é hoje o principal nome para a corrida presidencial no ano que vem. No PSDB ele disputa com o governador de Minas, Aécio Neves, a vaga de candidato. No governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, a ministra da Casa Civil, Dilma Rousseff é a mais cotada para disputar a sucessão.Desde o início do ano Serra tem manifestado um descontentamento com o debate antecipado sobre 2010. Em fevereiro, num encontro com lideranças do PSDB no Paraná, ele já havia responsabilizado o PT e o governo federal pela movimentação pré-eleitoral. Um mês depois, quando o Brasil começou a sofrer mais duramente os efeitos da crise econômica, ele voltou a criticar. Classificou de "prematura" a discussão e disse que ela trazia prejuízos ao País.IMPRENSAOntem, o governador, espontaneamente, reclamou durante um discurso do comportamento da imprensa. Ele disse haver um interesse maior pela questão eleitoral do que pelas ações de governo. "Esse (a recuperação dos mananciais) é todo um tema que merece um debate e um tratamento mais detalhado do que vem sendo dado. Aliás, um dos prejuízos enormes para o País da antecipação da campanha eleitoral é que, provavelmente, quando a gente termine isso, os repórteres, em vez de perguntar sobre isso, vão perguntar do tititi de Brasília."Serra participou ontem da entrega de 39 veículos e 3 embarcações para a Polícia Militar Ambiental reforçar o patrulhamento em áreas de manancial. Os equipamentos custaram R$ 5,5 milhões. No evento, ele exaltou a conduta de seu governo na preservação do meio ambiente. "O Rodoanel é a obra mais bem cuidada do País no que diz respeito ao meio ambiente. Foi necessário suprimir 250 hectares de mata. O replantio é 5 vezes maior. Estamos criando quatro parques", citou. Mas, emendou, "o que vale mesmo é o tititi brasiliense e não a questão ambiental, que fica sempre para segundo plano, exceto quando é para fazer alguma matéria que provoque algum escândalo". Mais tarde, em entrevista, Serra negou que o "tititi" fosse uma referência às notícias sobre a disputa entre ele e Aécio. Disse que se referiu genericamente a "perguntas sobre eleições quando está em fatos administrativos importantes". Apesar da queixa pública minutos antes, também afirmou que não está chateado com a mídia. Pelo contrário. "Eu, se fosse jornalista, teria de fazer a mesma coisa (perguntas sobre eleição)."Como tem sido praxe, Serra não comentou questões do Congresso, como a criação da Comissão Parlamentar de Inquérito no Senado para investigar a Petrobrás. "Eu tenho por norma nunca me pronunciar." CONCESSÃOO secretário dos Transportes, Mauro Arce, que acompanhou Serra na entrega dos veículos à PM, disse que o governo já decidiu que fará a concessão das rodovias Tamoios, Mogi-Bertioga, Oswaldo Cruz e o contorno de São Sebastião a Caraguatatuba por meio de uma parceria público-privada. Não haverá pagamento de outorga ao governo do Estado.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.