Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE

Serra reitera que Dilma sabia ou é incapaz como dirigente

Para tucano, petista ou 'não é capaz' ou 'é cúmplice' de suposto esquema de tráfico de influência

Chiara Quintão, da Agência Estado,

19 de setembro de 2010 | 18h32

O candidato do PSDB à presidência da República, José Serra, reiterou hoje que, ou a adversária Dilma Roussef, do PT, "como dirigente, não é capaz" ou "é cúmplice" do suposto esquema de corrupção e tráfico de influência na Casa Civil. "Não há uma terceira hipótese", afirmou. Segundo o candidato tucano, se Dilma desconhecer o "esquema que dura quatro, cinco, seis ou sete anos" estando à frente da Casa Civil, "então ela não tem capacidade de dirigir".

 

Questionado se é possível reverter os resultados das pesquisas de intenção de voto que apontam vitória da candidata petista à Presidência duas semanas antes das eleições, Serra respondeu "não há o que reverter". "A partida é para ser jogada em 3 de outubro, não é um campeonato", disse. Serra participou de caminhada na bairro de Paraisópolis, zona sul de São Paulo, acompanhando pelo candidato ao governo do Estado de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), e pelo prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab (DEM).

 

O candidato tucano afirmou que a solução para as comunidades mais pobres do Brasil é transformá-las em bairro. "Foi o que nós fizemos aqui. Quando eu entrei na prefeitura havia quatro escolas, sendo duas de lata. Hoje são 14 escolas e uma escola técnica", afirmou. Segundo Serra, o bairro conta hoje com iluminação, saneamento básico e pavimentação. "Com isso, as comunidades vão virando bairro", disse, acrescentando que as pessoas não podem morar em áreas de risco.

 

De acordo com o candidato, o bairro passará a contar com metrô, além da avenida perimetral. "Não posso fazer merchandising, mas uma das maiores lojas que vendem televisão e geladeira tem um faturamento muito grande aqui." Ele afirmou também que boa parte da população de Paraisópolis trabalha no local. Perguntado sobre a suposta exploração da imagem de Paraisópolis pelo PT, Serra respondeu que "eles fazem isso com tudo". "Fizemos tudo aqui em Paraisópolis. É normal que a gente venha onde faz muita coisa."

 

Em relação à habitação, Serra ressaltou que os esforços têm de ser direcionados para famílias que ganham menos de três salários mínimos. "Não é o que está acontecendo agora no governo federal." Segundo ele, 90% do programa de habitação paulista são direcionados para famílias com renda de até três salários mínimos, segmento que concentra "grande parte do déficit habitacional de São Paulo e do Brasil".

 

Durante a caminhada, Serra conversou com populares, tomou cafezinho e chegou a dar uma tacada de sinuca em estabelecimentos no bairro.

Alckmin também ressaltou que Paraisópolis é um bom exemplo de urbanização, incluindo pavimentação das ruas, retirada de famílias de áreas de risco, construção de escolas e assistência médica por meio das Amas (Assistência Médica Ambulatorial).

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.