Serra reconhece que governo do DF perdeu legitimidade

Governador evitou se posicionar em relação a uma possível intervenção do governo federal no DF

Carolina Freitas, da Agência Estado,

18 Fevereiro 2010 | 14h15

O governador de São Paulo, José Serra (PSDB), reconheceu nesta quinta-feira, 18, que a administração de seu aliado José Roberto Arruda (ex-DEM), governador licenciado do Distrito Federal (DF), perdeu a legitimidade.

 

Veja também:

linkAprovada abertura de ação para impeachment

linkImpeachment passará por várias etapas antes da confirmação

linkPaulo Octávio muda de ideia e cancela entrevista coletiva

linkGoverno espera STF para tomar medidas no DF, diz Padilha

linkArruda deve desistir de habeas corpus

blog Bosco: Paulo Octávio já redigiu renúncia

mais imagens Manifestante provoca tumulto na PF

especial Entenda a operação Caixa de Pandora

Arruda está preso desde a quinta-feira passada, dia 11, depois de suposta participação em esquema de suborno, conhecido como mensalão do DEM. Serra evitou, no entanto, tomar partido a respeito de uma possível intervenção do governo federal na administração do DF.

"Intervenção sempre é complicada, é uma situação bastante delicada. Isso tem de ser bem pesado", disse, após inaugurar um restaurante popular na Zona Norte da capital paulista.

"De um lado, são governos e a própria Assembleia Legislativa sem legitimidade. De outro, a intervenção implica em uma assunção de toda a administração de Brasília. E traz limitações legais, como a paralisação de emendas constitucionais", afirmou.

Renúncia

O governador em exercício do DF, Paulo Octávio (DEM), deve anunciar ainda hoje sua renúncia do cargo. No final da manhã desta quinta-feira, Octávio se reuniu com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva para tratar do tema.

Nesse encontro, o governador admitiu ao presidente que avalia a possibilidade de renunciar. Octávio está desde a quinta-feira passada (11) articulando a sobrevivência política dele e, ao mesmo tempo, tentando viabilizar um governo de coalizão que ajude o Supremo Tribunal Federal (STF) a não decretar a intervenção no DF.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.