Serra recebe prêmio pelo trabalho na Saúde

Homenagem foi feita pela Organização Mundial da Família em solenidade em Genebra

Jamil Chade, O Estadao de S.Paulo

09 de julho de 2009 | 00h00

O governador de São Paulo, José Serra (PSDB), alertou ontem que o orçamento para a saúde no Brasil "não é suficiente" e que os próximos anos serão marcados por aperto fiscal diante da crise. Em uma sala da ONU em Genebra, Serra recebeu um prêmio de uma entidade internacional e fez um discurso em tom de campanha, enumerando os avanços que conseguiu como ministro da Saúde (1998 a 2002) e apontando como suas políticas de acesso os medicamentos genéricos, que hoje são "exemplos para o mundo". O prêmio foi dado pela Organização Mundial da Família, uma entidade internacional presidida por uma brasileira que resolveu homenagear o governador por sua gestão à frente da pasta da Saúde e suas políticas em relação à mortalidade materna e infantil. Serra, porém, deixou claro que o orçamento para a saúde no Brasil terá de aumentar. "A saúde precisa de recursos adicionais", disse. Ele acredita que o setor conta com "o mínimo para continuar subsistindo". "Teremos de ver isso no futuro", afirmou. Serra é hoje o favorito na disputa pela Presidência da República em 2010, segundo pesquisas de intenção de voto. O governador, entretanto, se recusa a falar de candidatura. O governador disse acreditar que os próximos anos serão de queda na receita do Estado e aumento de despesas diante da recessão mundial. "Mas pelo menos a saúde está protegida de cortes que viriam num momento de crise", disse. A mensagem de Serra foi que os atuais recursos apenas estão sendo mantidos graças às suas políticas. "O financiamento foi central na nossa gestão", disse, lembrando que os gastos com saúde eram um "verdadeiro colchão amortecedor das crises fiscais". "Por isso, nos dedicamos à aprovação, difícil, mas bem-sucedida, de emenda constitucional que garantiu uma vinculação de recursos à Saúde." Ele criticou o fato de que, até hoje, não se aprovou a lei complementar que teria como função corrigir e monitorar os orçamentos para saúde em municípios e Estados. Sem mencionar as eleições de 2010, Serra insistiu que o prêmio recebido é uma prova de que suas políticas tiveram um impacto internacional. "Com esse reconhecimento, você passa a ter consciência não apenas que fez uma política que deu certo, que é durável em seus efeitos, mas também uma política que teve uma influência internacional", disse, lembrando que contrariou até o Banco Mundial para implementar sua estratégia no combate à Aids. O ponto central foi o acesso aos medicamentos, avanços na saúde familiar e autorização para compra de genéricos. "Foi uma mudança no mercado mundial de medicamentos a partir do nosso trabalho no Brasil." Sobre o atual governo, Serra admite que nem todas as políticas de saúde caminharam na mesma direção. Mas foi diplomático. "Não quero criticar. Represento de certa maneira o Brasil aqui", disse.Serra foi escolhido entre mais de 200 pessoas. A Organização Mundial da Família também premiou a ex-primeira dama do Reino Unido, Cherie Blair, e a princesa do Kuwait, Sheikha Fariha Al-Sabah. Nenhuma das duas esteve ontem no evento. Serra estará hoje em Paris.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.