Serra rebate Dilma e defende meta ambiental ambiciosa

Governador se manifestou após ministra pedir revisão na emissão de CO² com vistas a crescimento de 5% a 6%

Carolina Freitas, da Agência Estado,

14 Outubro 2009 | 14h30

O governador de São Paulo, José Serra (PSDB), contrapôs-se nesta quarta-feira, 14, à intenção da ministra da Casa Civil, Dilma Rousseff (PT), de tornar menos ambiciosa a meta de redução de emissão de gases poluentes no País.

 

Veja Também

linkPor crescimento, Casa Civil veta meta ambiental mais ambiciosa

linkTarso apoia metas de Minc para preservação do meio ambiente

linkJosé Serra vê falta de investimento em irrigação no Nordeste

 

"Os juros siderais e o câmbio mega-hiper-valorizado são muito piores para o desenvolvimento do que qualquer medida de defesa do meio ambiente", afirmou o tucano após evento da Secretaria de Estado da Saúde, na capital paulista.

 

"Já é uma discussão ultrapassada essa de que cuidado com o meio ambiente e crescimento econômico são incompatíveis", opinou o governador. Serra e Dilma são possíveis adversários nas eleições presidenciais do próximo ano.

 

Em reunião na terça-feira, 13, em Brasília, a ministra opôs-se à meta do titular do Meio Ambiente, Carlos Minc, de reduzir em 80% o desmatamento da Amazônia e de congelar as emissões de gás carbônico nos padrões de 2005. Dilma disse ser favorável à manutenção da meta de desmatamento, mas solicitou uma nova projeção, levando em conta um crescimento econômico de 5% a 6% ao ano. O estudo do Ministério do Meio Ambiente prevê crescimento de 4%.

 

Serra, por sua vez, sinalizou que deve sancionar a lei estadual que institui a Política Estadual de Mudanças Climáticas, aprovada na terça-feira na Assembleia Legislativa paulista. O texto estipula meta de redução das emissões de gás carbônico em 20% até 2020, em relação aos níveis de 2005.

 

"É uma lei importante, pioneira no Brasil e útil de ser levada em conta no momento em que a questão está dentro do debate nacional", disse. "Aqui em São Paulo, no que depende da gente, estamos fazendo. Acho que o Brasil pode fazer também. É perfeitamente possível."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.