Serra 'quer sentar na garupa' de Lula, diz Padilha

Ministro das Relações Institucionais criticou tucano por utilizar a imagem do presidente na TV

Gustavo Porto, da Agência Estado,

20 de agosto de 2010 | 11h46

RIBEIRÃO PRETO - O ministro das Relações Institucionais, Alexandre Padilha, criticou nesta quinta-feira, 19, a estratégia do candidato do PSDB, José Serra, de utilizar a imagem do presidente Luiz Inácio Lula da Silva na campanha eleitoral. "O governador José Serra ficou oito anos querendo derrubar a moto do presidente Lula e agora quer sentar na garupa", brincou o ministro. Padilha está em Ribeirão Preto, no interior de São Paulo, para uma reunião ampliada do Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social (CDES), do qual é secretário-executivo.

 

Veja também:

Relembre: Serra abre propaganda com imagens de Lula

Guerra pressiona aliados a exibir presidenciável na TV

Goldman nega crime eleitoral em uso de imagem de Lula por Serra

 

Ele rebateu ainda as críticas feitas por Serra, que acusou o atual governo de intimidar e censurar a imprensa. "O PT é fruto e maior defensor da liberdade de imprensa. Há oito anos a imprensa é livre para criticar o que quer e o que não quer, para publicar o que quer e o que não quer", disse o ministro. "Isso faz parte da rota de ataques. O governador José Serra resolveu tirar do armário a capa de anti-Lula e começou a desferir agressões, que não vão surtir efeitos", completou.

O ministro das Relações Institucionais avaliou que a campanha da candidata do governo à sucessão de Lula, Dilma Rousseff (PT), "está no rumo certo". Além disso, ratificou que os ataques da oposição não vão surtir efeito, porque o povo brasileiro deseja do candidato a continuidade desse bom momento. "E a Dilma é a pessoa mais preparada."

Padilha disse ainda que a campanha eleitoral não vai influenciar no trabalho dos ministérios e do próprio CDES. Ele também se comparou ao técnico do Palmeiras, Luiz Felipe Scolari, que não assumiu a seleção brasileira por ter um compromisso com a equipe paulista. "Mesmo sendo corintiano, eu estou igual ao Felipão: temos contrato a cumprir, vamos entregar o que o presidente cumpriu nos oito anos e nenhuma tentação ou assédio nos tirará o foco do governo."

Durante o discurso, Padilha elogiou a prefeita de Ribeirão Preto, Dárcy Vera, do DEM, e ignorou o fato de ela ser de oposição ao governo Lula. Padilha citou as relações da prefeita com o deputado federal e ex-ministro da Fazenda Antonio Palocci (PT-SP) e com o ministro da Agricultura, Wagner Rossi. Padilha lembrou que desde que Dárcy assumiu, em 2009, o governo já liberou mais de R$ 100 milhões em recursos para a cidade paulista.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.