Serra quer aprofundar propostas para a cidade no 2º turno

O candidato do PSDB à Prefeitura de São Paulo, José Serra, afirmou na manhã de hoje que a acolhida que recebeu da população da capital nessas eleições lhe dá mais vigor e energia para a disputa do segundo turno. Ele garantiu que pretende aprofundar as propostas que apresentou no primeiro turno e voltou a cobrar da adversária petista, Marta Suplicy, uma campanha mais limpa, sobretudo politicamente.O candidato esteve na manhã desta segunda-feira, concedendo entrevistas a emissoras de rádio e TV. Sua assessoria informou que ele não terá eventos de rua e deverá permanecer em casa. Nas entrevistas que já concedeu, Serra rebateu o argumento utilizado por Marta Suplicy de que o segundo turno é uma outra eleição. "É uma outra eleição em termos", disse ele. Para Serra, o grande desafio neste segundo turno é conquistar mais votos e manter os que obteve no primeiro turno.De acordo com o tucano, no segundo turno a população poderá observar claramente a maneira diferente que o PT e o PSDB têm de administrar São Paulo. Ele acredita que neste embate os temas prioritários para a população, tais como saúde e educação, estarão freqüentemente em pauta.José Serra garantiu mais uma vez que se for eleito vai permanecer quatro anos administrando a cidade. "Não vamos parar as obras e vamos trabalhar desde o primeiro momento, diferente do PT que parou a cidade por mais de dois anos e deixou tudo para o final", disse o tucano em entrevista a uma rádio da capital.Sobre a diferença de quase oito pontos porcentuais que abriu de vantagem sobre a adversária petista, Serra acredita que parte disso ocorreu por sua performance no último debate, na Rede Globo, realizado na quinta-feira entre os candidatos à Prefeitura da capital. Serra disse também que não acredita que sofrerá algum tipo de boicote do governo federal, caso seja eleito no dia 31 de outubro. "O governo federal não vai correr este risco (de boicotar a cidade), porque São Paulo é muito importante economicamente, financeiramente e politicamente."O tucano falou também a respeito da dívida do município. Ele disse que se for eleito, a renegociação da dívida é factível e deverá propor uma revisão do indexador. Apesar disso, voltou a dizer que a sua maior preocupação é com o atual déficit da prefeitura. Segundo ele, a situação financeira do município está muito ruim porque a atual administração gastou muito "de última hora".Nas entrevistas que concedeu esta manhã, o candidato do PSDB criticou, também, os constantes ataques dos adversários do PT. De acordo com ele, o senador Aloizio Mercandante deveria parar com os "truques mercadológicos e começar a falar a verdade". Serra disse que o senador petista fez "centenas de comerciais falando inverdades, sobretudo do governo Fernando Henrique Cardoso".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.