André Dusek/Estadão
André Dusek/Estadão

Serra: protestos foram produto espontâneo

Senador vê manifestações como reação ao 'estelionato eleitoral' cometido pelo atual governo da presidente Dilma Rousseff

Igor Gadelha, O Estado de S. Paulo

15 de março de 2015 | 20h33

O senador José Serra (PSDB) avaliou há pouco que os protestos deste domingo contra o governo da presidente Dilma Rousseff foram "produto espontâneo" da reação ao "estelionato eleitoral e à inépcia do governo federal e da indignação contra a corrupção implantada como método de administrar o país".

Em postagem na sua página oficial no Facebook intitulada "Longe das benesses do poder, mas perto do pulsar das ruas", o tucano afirmou que 15 de março será "fator decisivo" da mudança de rumos do Brasil neste início de século. "Hoje o povo brasileiro fez história. Mais de um milhão de pessoas em São Paulo, quase dois milhões em todo o país. Foi uma das maiores manifestações da história do Brasil", escreveu.

Serra destacou o fato de os protestos não terem sido organizados por "partidos da oposição ou entidades sindicais", em referência aos protestos desta sexta-feira organizados pela CUT e outras centrais sindicais. Apesar das críticas à política econômica do governo, os atos de anteontem defenderam a presidente Dilma, em um contraponto aos pedidos de impeachment.

O ex-governador de São Paulo afirmou ainda que os protestos deste domingo vão ser decisivos para mudança de rumos do País em direção a uma "democracia mais forte e representativa, ética na administração pública e desenvolvimento para todos". Ele aproveitou o post ainda para "Nós do PSDB temos a palavra de ordem que vai orientar nossa atuação junto à sociedade: longe das benesses do poder, mas perto do pulsar das ruas - lema que presidiu a nossa fundação", disse.

Tudo o que sabemos sobre:
protestosDilma RousseffJosé Serra

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.