Serra promete expansão do polo naval de Rio Grande

Durante os 70 minutos que esteve hoje em Rio Grande, no Rio Grande do Sul, o candidato à Presidência José Serra (PSDB) precisou praticamente correr para cumprir sua agenda. Entre a chegada ao aeroporto, carreata e caminhada no centro da cidade, o tucano disse que "reafirmará os investimentos na região, especialmente no fortalecimento do polo naval" e na continuação da duplicação das rodovias que "ligam o porto à capital gaúcha", no que ele chamou de o "Eldorado brasileiro".

RAFAEL MANO DIVERIO, Agência Estado

13 de outubro de 2010 | 20h46

Em rápida entrevista à imprensa, concedida ainda no aeroporto, Serra afirmou que o próximo passo para o fortalecimento do polo naval de Rio Grande será a construção de todas as etapas das plataformas petrolíferas. Atualmente, parte de algumas destas embarcações são construídas em outros países, especialmente Cingapura, e finalizadas nos estaleiros rio-grandinos. Para o tucano, a produção gaúcha aumentará a partir do momento em que não houver mais intermediários durante as montagens.

Sobre as rodovias BR-392, entre Rio Grande e Pelotas, e BR-116, entre Pelotas e Porto Alegre, Serra prometeu dar prioridade e agilidade às duplicações. "Essa ligação entre a capital e o porto é fundamental para a circulação do que chega e sai do Brasil por aqui e essas duas estradas estão no nosso programa de reformulação das estradas de todo o País."

No centro de Rio Grande, o candidato foi recebido por alguns militantes e caminhou pelo calçadão. A agenda então foi alterada e Serra partiu para a cidade de Pelotas (RS), sem passar pelo Porto de Rio Grande, como estava previsto originalmente. A visita também teve cunho estratégico na campanha, já que, no primeiro turno, o tucano não passou pela região e viu sua principal adversária, Dilma Rousseff (PT), que esteve antes do período eleitoral, conquistar 51,8% dos votos na cidade, contra 31% seus.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.