Serra precisa lançar campanha se quiser vencer, diz Economist

Segundo revista britânica, se governador não começar logo, será 'o melhor presidente que o Brasil nunca teve'

estadao.com.br,

04 Fevereiro 2010 | 17h36

A edição desta semana da revista britânica The Economist traz uma reportagem na qual apresenta o governador de São Paulo, José Serra (PSDB), como um político que "fez um trabalho decente no comando do maior Estado do Brasil, mas que para continuar liderando as pesquisas para a Presidência da República vai precisar entrar de cabeça na campanha".

 

O texto destaca que com a ascendência do País nos cenários econômicos e diplomáticos, o desafio de governá-lo aumentou na mesma escala. "Com um currículo consistente de acadêmico, ministro e governador, o senhor Serra é com certeza um candidato forte. Mas ele é um personagem curioso. Um amigo disse que ele anunciava que seria presidente quando tinha 17 anos. Colegas e subordinados o descrevem como um controlador notívago e teimoso."

 

A revista não deixa de mencionar, entretanto, as críticas que Serra tem recebido por causa dos estragos causados pelas chuvas que assolam o Estado há 44 dias seguidos e que resultaram em mais de 70 mortes.

 

Sobre as obras que o governador corre para entregar antes de deixar o cargo, a reportagem diz que "Serra parece ter aprendido de governos passados que ter um grande e visível legado para aparecer nas fotos faz maravilhas para angariar votos de indecisos".

 

De acordo com a Economist, mesmo com todas as histórias que possa contar sobre seu governo, Serra viu sua vantagem nas pesquisas se esvanecer nas últimas semanas graças à "campanha frenética" que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva tem feito com a ministra-chefe da Casa Civil e pré-candidata do PT à Presidência, Dilma Rousseff - descrita pela revista como alguém "com ainda menos carisma do que Serra, apesar de ambos serem bons administradores".

 

Na avaliação da revista, o governador de São Paulo pode ver seus índices nas pesquisas subirem assim que ele entrar em campanha. "Mas o caótico sistema multipartidário brasileiro é duro com quem vê o trem passar e não sobe nele", alerta o texto. "Serra precisa começar logo se não quiser ser lembrado como o melhor presidente que o Brasil nunca teve."

Mais conteúdo sobre:
SerraeleicoesDilmaThe Economist

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.