Serra: País vive 'tripé perverso' na condução econômica

O candidato do PSDB à Presidência, José Serra, disse hoje que o Brasil vive um "tripé perverso" na política macroeconômica. "Vivemos um tripé perverso. Temos a carga tributária mais alta entre os países em desenvolvimento, a maior taxa de juros reais do mundo e a menor taxa de investimento público do mundo", afirmou, em sabatina promovida pelo Grupo Estado. "Convenhamos que é um tripé complicadíssimo."

ANNE WARTH, Agência Estado

06 de setembro de 2010 | 12h13

Ele disse que a economia brasileira não se saiu tão bem durante a crise financeira internacional como o governo fala. "Criou-se um mito de que o Brasil surfou na crise. Não é verdade. Quem surfou na onda foram países como a China, a Índia", disse. Na avaliação dele, o Brasil não tem um projeto de desenvolvimento e tem baseado o crescimento da economia na exportação de commodities. "Nós estamos em franco processo de desindustrialização", afirmou. "Temos uma política macroeconômica ajustada que gera uma política cambial inconveniente."

Serra voltou a atacar sua principal adversária, Dilma Rousseff (PT), e afirmou que a candidata, formada em Economia, como ele, não tem conhecimento na área. "Ela parece não ter estudado economia", segundo o candidato. "Dilma disse que o déficit na conta corrente se deve à importação de bens de capital. É óbvio ululante que não é assim. Qualquer análise mostra que estamos importando bens de consumo", afirmou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.