Serra nega veto a nome de Alckmin para presidência do PSDB

O governador de São Paulo, José Serra (PSDB), negou veto ao nome de seu antecessor, o também tucano Geraldo Alckmin, na disputa pela presidência do PSDB. Candidato derrotado ao Planalto em 2006, Alckmin almeja suceder Tasso Jereissati (CE) no comando do partido.Sem cargo público, assumir o posto seria uma maneira de o ex-governador paulista manter-se na mídia pelo menos até 2008, quando poderá disputar a Prefeitura da capital paulista.A negativa foi feita por Serra pessoalmente a Alckmin, em conversa que eles tiveram no Palácio dos Bandeirantes. O encontro - uma iniciativa de Serra - aconteceu no final da tarde de quinta-feira, cinco horas antes de Alckmin embarcar para Boston, nos Estados Unidos, onde estudará administração pública na Universidade Harvard.Ao longo de duas horas, os dois tucanos, que no ano passado travaram uma guerra para a escolha do candidato do PSDB ao Planalto, apararam as arestas. Falaram de conjuntura política, do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), da sucessão no Congresso e, principalmente, do futuro do PSDB.Alckmin ouviu de Serra que o partido vive um momento de reflexão e que o comando da sigla terá de ser discutido em seu devido tempo, não agora. No segundo semestre, Tasso deixará a presidência do PSDB. Serra fez questão de ressaltar que são inverídicas as notícias que dão conta de que ele não apoiaria seu nome para presidir o PSDB. Por mais de uma vez, o atual governador assegurou ao seu antecessor que não há veto.Às 23 horas de quinta-feira, Alckmin embarcou, ao lado da mulher, Lu, e da filha, Sophia, para os EUA. O tucano retorna ao Brasil em março apenas para uma semana de palestras. A volta definitiva a São Paulo deve ocorrer entre junho e julho.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.