Serra nega que produziu 'kit gay' em sua gestão

O candidato do PSDB à Prefeitura de São Paulo, José Serra, rebateu nesta segunda matéria do jornal Folha de S.Paulo que diz que durante seu governo no Estado, nos anos de 2006 a 2010, material semelhante ao kit anti-homofobia, batizado de ''kit gay'' - produzido na gestão do então ministro Fernando Haddad (PT), seu adversário neste segundo turno eleitoral -, teria sido feito na secretaria estadual da Educação. "Esse material (produzido em seu governo) é correto e é material dirigido aos professores, não aos alunos", afirmou.

GUILHERME WALTENBERG, Agência Estado

15 de outubro de 2012 | 16h49

De acordo com Serra, o material batizado de ''preconceito e discriminação no contexto escolar'' se distingue do chamado ''kit gay'' por não ser voltado apenas às questões de natureza sexual. "É para os professores, para que eles possam lidar com as diferentes situações de preconceito. Não é um material só voltado a questões de natureza sexual, mas também ao preconceito de classe e religioso. É um material voltado ao fortalecimento da família", argumentou.

Em visita à região de Cidade Ademar, na zona sul da Capital, o candidato tucano citou o fato desse material não ter gerado polêmica ao ser lançado, igual ao produzido na gestão de Fernando Haddad, que "foi vetado pela presidente Dilma Rousseff". E frisou: "Não tem nada a ver com o desastrado kit gay do Fernando Haddad, que custou R$ 800 mil e a Dilma vetou." E lembrou que o Tribunal de Contas da União (TCU) está cobrando a prestação de contas deste valor. "É dinheiro que foi jogado fora e que foi mal administrado", criticou.

Tudo o que sabemos sobre:
eleições 2012kit gaySerra

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.