Serra nega estar indeciso quanto a disputar o governo

O prefeito de São Paulo, José Serra, afirmou nesta sexta-feira à bancada tucana do PSDB de São Paulo na Câmara dos Deputados que não está indeciso em relação à disputa ao governo do Estado. Apesar da afirmativa, Serra disse aos parlamentares que ainda está analisando o cenário antes de manifestar oficialmente sua posição a esse respeito.Nove dos dez parlamentares da bancada tucana na Câmara estiveram, na tarde desta sexta-feira, reunidos com Serra para oferecer apoio e pedir que ele dispute a sucessão ao Palácio dos Bandeirantes.De acordo com o deputado Júlio Semeghini (SP), Serra agradeceu o apoio recebido e ficou "contente" com a análise que cada deputado apresentou de sua região. "Serra tem duas vantagens: coloca o PSDB na liderança do processo político no Estado e costura uma grande aliança em torno da legenda", reiterou Semeghini.Prazo curtoApós ouvir o relato da bancada tucana paulista, Serra acabou admitindo que tem pouco tempo para tomar a decisão. O prazo para ele se desincompatibilizar do cargo de prefeito para disputar a sucessão estadual termina no dia 31 deste mês. "Se tiver que falar com o coração, acredito que ele seja mesmo candidato e eu estou torcendo por isso", frisou Semeghini.Os parlamentares que estiveram reunidos com o prefeito afirmaram também que estão sendo procurados, em Brasília, por colegas de outros partidos, interessados em fazer uma grande frente de apoio a José Serra nesta campanha estadual. Alguns tucanos disseram que estão sendo procurados até mesmo por setores do PMDB. Outros partidos que já teriam manifestado interesse são o PFL, o PTB e o PPS.Pré-candidatosO deputado e pré-candidato ao governo de São Paulo, Alberto Goldman, disse que retirará seu nome da disputa assim que Serra decidir que é mesmo candidato. Ele não quis falar a respeito da posição do outro pré-candidato da legenda, o vereador José Aníbal, que tem reiterado sua disposição de se manter na disputa, mesmo com o nome de Serra no páreo. "Perguntem ao Zé Aníbal", foi a resposta de Goldman, ao ser questionado a esse respeito.Além de reunir uma ampla frente de apoio no Estado de São Paulo, os parlamentares tucanos acreditam também que é importante disputar o governo do Estado para ajudar alavancar a candidatura presidencial de Geraldo Alckmin.As conversas sobre a sucessão estadual deverão ser definidas após a chegada do presidente nacional do PSDB, senador Tasso Jereissati, ao País, na madrugada da próxima segunda-feira. Além da conversa que deverá ter com Serra, Tasso conversará também com Alckmin para concluir o rol de alianças da campanha ao Palácio do Planalto, informaram os parlamentares tucanos da bancada paulista.Além de Semeghini e Goldman, participaram da conversa com José Serra na tarde de hoje os seguintes deputados federais do PSDB de São Paulo: Zulaiê Cobra Ribeiro, Xico Graziano, Walter Barelli, Mendes Thame, Antonio Carlos Pannunzio, Lobbe Neto e Silvio Torres. O deputado Carlos Sampaio, que também endossou a moção de apoio, não pôde comparecer porque está envolvido com os trabalhos da CPI dos Correios, no Congresso Nacional.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.