Serra nega briga com Alckmin devido à CPI da Nossa Caixa

O governador de São Paulo, José Serra (PSDB), negou neste sábado que haja um conflito entre ele e o ex-governador do Estado Geraldo Alckmin (PSDB) na questão da possível instalação da CPI da Nossa Caixa na Assembléia Legislativa. "A CPI é um assunto da Assembléia Legislativa. O Executivo não interfere nisso", afirmou após participar do mutirão estadual de saúde, durante a manhã, no Hospital Dante Pazzanese, na capital paulista.Serra afirmou que sua postura é a mesma que era adotada por Alckmin durante sua gestão como governador do Estado. "Nós somos companheiros, não há nenhum problema entre nós. Pelo contrário. Nos damos muito bem e o resto é fofoca", acrescentou.Questionado sobre sua posição em relação à reforma tributária e a substituição do ICMS pelo IVA, como deseja o presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), Serra afirmou que ainda não conhece a idéia em detalhes e não emitiria opiniões enquanto não soubesse o teor do projeto. "Projeto de reforma tributária a gente tem que olhar no detalhe, porque é no detalhe que está o problema", afirmou.O governador explicou ser favorável a uma reforma tributária que simplifique o sistema e inclua também os impostos federais e o combate à guerra fiscal. "Esse é apenas um enunciado geral", disse.Em relação ao ICMS, imposto cuja alíquota é definida pelos Estados e que foi usado como forma de atrair empresas principalmente durante os anos 1990, Serra defendeu que 4% do total do imposto seja cobrado pelo Estado onde a empresa esteja instalada e o restante pelo Estado que receberá a mercadoria."Quando o ICMS for para o destino, a arrecadação do Estado que receber a mercadoria será feita no Estado de origem. Se a alíquota no Estado de origem for zero, o mais provável é que você tenha um afrouxamento da arrecadação para dar um estímulo para a arrecadação", explicou."Uma mudança dessa natureza implica que não haja mais guerra fiscal. No caso de São Paulo, nós concordamos em levar o ICMS para o destino, mas sempre que haja outras medidas que não sejam propriamente compensatórias, mas de justiça em matéria fiscal e tributária", acrescentou.Serra fez exames de pressão arterial, glicemia e colesterol no Instituto Dante Pazzanese. O governador informou que sua pressão estava em 110/80 mHg, considerada boa pelos médicos e enfermeiros que participaram do mutirão. Diante da brincadeira dos jornalistas, que disseram que o governador estava calmo, ele respondeu: "É porque ainda não dei entrevista para vocês", afirmou, também em tom de brincadeira.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.