José Patrício/AE
José Patrício/AE

'Serra não precisa de muletas nesta campanha', diz Feldman

Deputado faz referência à participação de Lula na campanha de Haddad; para ele, o candidato tucano é 'uma personalidade em si'

Guilherme Waltenberg, de O Estado de S. Paulo

24 de julho de 2012 | 18h37

O coordenador de mobilização da campanha de José Serra (PSDB) à Prefeitura de São Paulo, deputado Walter Feldman, garantiu hoje, em entrevista exclusiva à Agência Estado, que o tucano "não precisa de muletas" nessas eleições, numa referência à participação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva na campanha do seu afilhado político, o petista Fernando Haddad. Para Feldman, "Serra é uma personalidade em si. É o candidato que nós apresentaremos e não precisará de nenhum tipo de apoio ou muleta para se colocar perante o eleitorado", argumentou o tucano.

Na entrevista, Feldman ressaltou a experiência de Serra como administrador público como uma das principais qualidades do tucano para gerir uma metrópole da dimensão de São Paulo. Questionado sobre qual será a novidade que Serra trará ao eleitorado em uma campanha na qual vários candidatos se apoiam no mote do "novo" e pregam mudanças, o deputado recorreu ao ex-presidente Fernando Collor de Mello e ao ex-prefeito da Capital paulista Celso Pitta para dizer que "o novo também pode ser um desastre".

"São figuras que apareceram como sendo da renovação e na verdade tinham práticas muito mais antigas e velhas do que aqueles que já tinham uma experiência acumulada. É uma mistificação de que o novo pode ser melhor. O novo, às vezes, pode ser passado, pode ser um equívoco." E emendou: "O Serra é incomparável do ponto de vista da experiência acumulada e da contribuição que já deu ao Brasil, ao Estado e à cidade de São Paulo."

Indagado se a rejeição de Serra, da ordem de 37% apontada na última pesquisa Datafolha, preocupa a campanha, o coordenador de mobilização defendeu que essa rejeição é "temporária" e atribuiu a sua dimensão às críticas dos adversários. "Os adversários têm usado muito essa ideia de (Serra) ter sido prefeito e ter saído (para concorrer ao governo do Estado em 2006). Nós estamos convencidos de que isso foi muito bom pra São Paulo. O Serra governador foi de longe o governador que mais investiu na cidade (de São Paulo). O Serra foi na verdade prefeito e governador junto", argumentou.

Apesar de centrar suas críticas no candidato petista, Fernando Haddad, e no PT, Feldman afirmou que "ainda é cedo" para dizer que existe uma polarização entre PSDB e PT neste pleito. "É muito cedo, os candidatos estão se colocando, estamos trabalhando para levar o Serra ao segundo turno", comentou. O trabalho da campanha do PSDB, segundo Feldman, é de garantir a ida de Serra ao segundo turno e "quem sabe surpreender no primeiro". "Quem vai ser o adversário, vamos deixar o eleitor decidir", afirmou.

Tudo o que sabemos sobre:
Eleições 2012SPPSDB-SPJosé Serra

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.