Serra não comenta prisão de Jader

O ministro da Saúde e provável candidato do PSDB à presidência, José Serra, não quis responder se a prisão do ex-senador Jader Barbalho(PMDB), ocorrida hoje emBelém, iria prejudicar a sua candidatura ao Palácio do Planalto ou as eventuais alianças do seu partido. Ao ser questionado pela imprensa em Vinhedo (interior de São Paulo) sobre a repercussão da prisão em sua campanha ele respondeu apenas "por que ?", antes de entrar no carro oficial que o transportou no compromisso oficial na cidade.O ministro da Saúde foi apontado pelo ex-senador pefelista Antonio Carlos Magalhães (que também renunciou ao senado, após o escândalo da violação do painel da casa) como um dos responsáveis por articular a eleição de Barbalho para a presidência no Senado, numa costura política que teria permitido a eleiçào do tucano Aécio Neves para a presidência da Câmara. ACM, afirmou hoje na Bahia que a prisão de Jader vai atrapalhar a pré-candidatura de Serra à presidência.Serra participou hoje da inauguração da Estação de Tratamento de Esgoto (ETE) Pinheirinho, em Vinhedo. A ETE custou R$ 5,5 milhões e foi custeada pela prefeitura, com financiamento da Caixa Econômica Federal (CEF). Na agenda de Serra, estão previstas ainda visitas a uma policlínica (construída parcialmente com recursos do Ministério da Saúde) e a tradicional Festa da Uva de Vinhedo. O ministro receberá do prefeito tucano, Milton Álvaro Serafim, o título de cidadão honorário de Vinhedo. Na manhã de hoje, Serra esteve em São Paulo no velório de Lucy Montoro, viúva do ex-governador Franco Montoro, um dos fundadores do PSDB.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.