Serra lança piso salarial de R$ 410 para o Estado

O governador de São Paulo, José Serra (PSDB), assinou nesta quarta-feira, 25, no Palácio dos Bandeirantes, um projeto de lei que institui um novo piso salarial para o Estado. O valor vai variar entre R$ 410 e R$ 490, distribuídos em três faixas salariais. Serra estima que o projeto irá beneficiar cerca de 1 milhão de trabalhadores. O primeiro piso, de R$ 410, será destinado a trabalhadores domésticos, serventes e trabalhadores de serviço de manutenção de limpeza. A segunda faixa, de R$ 450, é voltada para operadores de máquinas de construção civil, tintureiros, barbeiros e cabeleireiros. A terceira faixa, de R$ 490, vai atingir supervisores de compra e vendas e representantes comerciais.O projeto de lei terá de ser votado na Assembléia Legislativa e a expectativa do governo é de que seja aprovado em cerca de 45 dias.Atualmente, apenas Rio, Paraná e Rio Grande do Sul instituíram o salário regional. O modelo paulista será o mesmo adotado por esses Estados. O piso nacional é de R$ 380.O piso regional, promessa de campanha de Serra, valerá somente para os trabalhadores da iniciativa privada. Servidores estaduais estão fora, assim como as categorias que já têm piso definido em acordo coletivo. Com exceção desses dois grupos, nenhum trabalhador poderá ganhar menos que os valores fixados pelo governo no Estado. Do ponto de vista administrativo, o objetivo é aumentar a renda dos trabalhadores, principalmente nas regiões mais pobres do Estado, onde os salários estão mais achatados. Politicamente, o projeto ajuda Serra a se aproximar do eleitorado mais pobre, imprimindo uma marca popular ao governo. Ele também visa a romper com a imagem elitista do PSDB. Esse cortejo aos pobres é uma das bases do plano de reformulação e fortalecimento do PSDB com vistas à eleição de 2010.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.