Serra lamenta morte de Barradas: 'A saúde do Brasil deve muito a ele'

Pelo Twitter, ex-governador lembrou passagem do secretário paulista pelo Ministério da Saúde

Fabrício de Castro, da Agência Estado / SÃO PAULO,

18 Julho 2010 | 12h13

O candidato do PSDB à Presidência, José Serra, lamentou a morte do secretário de Saúde do Estado de São Paulo, Luiz Roberto Barradas Barata. Em mensagem publicada em seu microblog no Twitter, Serra afirmou que a grande motivação de Barradas era ajudar as pessoas. "Era formulador e administrador dedicado, inteligente e criativo. Que perda!", escreveu.

Serra também destacou o apoio recebido de Barradas durante sua passagem pelo Ministério da Saúde e pelo governo do Estado de São Paulo. "A saúde do Brasil deve muito a ele", afirmou o candidato. "Foi meu principal orientador quando assumi o Ministério da Saúde e meu secretário quando governei SP", escreveu no Twitter.

Aos 57 anos, Barradas morreu na noite deste sábado, 17, por volta das 20h50, em decorrência de um ataque cardíaco. De acordo com a assessoria da Secretaria de Saúde, ele estava de férias em Ubatuba, no litoral norte do Estado, quando passou mal e foi encaminhado ao Instituto Dante Pazzanese de Cardiologia, na zona sul de São Paulo.

Em maio do ano passado, durante entrevista ao programa Roda Viva, da TV Cultura, Barradas contou que passava por tratamento contra o câncer. Ele não especificou qual o tipo do tumor, mas afirmou que estava bem. Formado pela Santa Casa, participou da cúpula da saúde no Estado de São Paulo desde o governo Mário Covas, entre 1995 e 2001. O médico assumiu o cargo de secretário estadual a partir de 2003 e permaneceu nas gestões de Geraldo Alckmin, Cláudio Lembo, José Serra e Alberto Goldman.

O sanitarista também foi assessor dos ex-ministros de Saúde Adib Jatene e José Serra, de quem era bastante próximo. Em São Paulo, foi responsável por consolidar as Organizações Sociais de Saúde (OSS), modelo de parceria entre setor público e privado para gerir as unidades básicas de saúde.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.