Serra ironiza programa de governo de Russomanno

Candidato tucano diz que desconfia que plano foi comprado pela internet

Bruno Boghossian - O Estado de S. Paulo,

27 de setembro de 2012 | 16h42

O candidato do PSDB a prefeito de São Paulo, José Serra, tratou com ironia o fato de o candidato Celso Russomanno (PRB) ter apresentado como coordenador de seu programa de governo um "laranja", que não revelava seu nome verdadeiro e tinha apenas função secundária na campanha.

"Eu desconfio que (o programa de governo) foi comprado pela internet. Com a internet hoje você tem de tudo. É tudo disfarçado, tudo no campo do virtual", disse candidato do PSDB.

Reportagem publicada pelo Estado nesta quinta-feira, 27, revelou que o homem apontado como coordenador do plano de governo de Russomanno e apresentado como Carlos Baltazar se chama, na verdade, Carlos Alberto Joaquim, e é funcionário de carreira da Prefeitura. Além disso, ele exerce apenas uma função secundária na equipe, com o papel de agrupar sugestões enviadas por colaboradores.

Serra criticou o plano de governo apresentado até agora por Russomanno. O documento contém apenas propostas genéricas, sem detalhes e estimativas de custo.

"É só para fazer figuração. Eles terceirizam (a elaboração do programa)", afirmou o tucano.

O candidato do PSDB, no entanto, também não apresentou um documento com propostas detalhadas. O plano de governo registrado pela campanha de Serra na Justiça Eleitoral contém apenas diretrizes de governo. Originalmente, a equipe tucana afirmava que não lançaria publicamente um programa completo, mas decidiu apresentar um documento caso o candidato do PSDB chegue ao segundo turno, com o objetivo de fazer frente a Russomanno.

Serra também atacou o programa lançado por Fernando Haddad (PT). "A (proposta) do Haddad é a mesma coisa. Pergunta para ele quanto custa o tal do Arco do Futuro", disse o tucano, em referência ao plano de urbanização e obras viárias do petista. Quando apresentou seu programa, Haddad estimou o Arco do Futuro em R$ 20 bilhões.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.