Serra ignora comentários de Ciro e diz que tem mais o que fazer

O ministro da Saúde, José Serra, ignorou os comentários feitos neste sábado pelo presidenciável Ciro Gomes (PPS). "Tenho mais coisa para fazer do que ficar dando atenção ao Ciro. Isto não é importante", afirmou Serra. O ex-governador do Ceará disse que, entre os possíveis candidatos à sucessão do presidente Fernando Henrique Cardoso, Serra "é o mais flagrantemente continuísta, aquele que mais gravemente poderia projetar para o futuro essas mazelas do descompromisso com a produção, com a miséria brasileira".Indagado se vai deixar o cargo até o prazo limite para a desencompatibilização em abril, Serra confirmou: "É evidente, senão eu não poderia me candidatar." Ele só não revelou a qual cargo pretende concorrer.O ministro compareceu hoje às comemorações de 25 anos do atendimento médico voluntário na Paróquia de Bom Jesus de Cangaíba, na zona Leste de São Paulo. Estavam presentes também o presidente da Assembléia Legislativa de São Paulo, Walter Feldman (PSDB), o presidente do PSDB paulista, deputado estadual Edson Aparecido, o secretário Municipal de Saúde, Eduardo Jorge, além do vereador e médico Gilberto Natalini, líder dos tucanos na Câmara Municipal, que junto com os médicos Nacime Mansur e Henrique Francé, da Escola Paulista de Medicina, atende aos sábados a população no local.A atuação de Serra na ministério foi elogiada em discurso até pelo petista Eduardo Jorge. "O serra cumpriu a política constitucional de saúde à risca", destacou o secretário, para quem o ministro demonstrou "competência" e "coerência" na gestão do sistema de saúde.Na sexta-feira, Serra cumpriu uma agenda cheia em São Paulo, participou da comemoração dos 80 anos da Sociedade Beneficente de Senhoras dos Hospital Sírio Linbanês e da inauguração do Memorial do Hospital, depois compareceu à comemoração de 50 anos da Associação Médica Brasileira (AMB) e por fim foi ao jantar de final de ano da Associação Brasileira de Aerossóis e Saneantes Domissanitários (ABAS), no Clube Transatlântico, onde chegou por volta das 23h30.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.