Serra faz discurso defendendo "Estado ativo"

O ministro da Saúde, José Serra, afirmou que o PSDB precisa encontrar "um caminho entre o Estado produtor e o Estado omisso, que é o Estado ativo, não interventor, o Estado regulador". Serra fez a declaração no Salão Negro do Congresso, a participar do lançamento da revista "Social Democracia Brasileira", editada pelo Instituto Teotônio Vilela, do PSDB. Segundo o ministro, há dois tipos de "desvios? de que o partido precisa escapar: o neoliberalismo, ?que é o Estado omisso, inerte e impotente?, e o Estado da ?antiga esquerda ortodoxa?, que é o do ?estatismo e do intervencionismo." Serra afirmou que os problemas sociais não se resolvem pelo mercado. "O PSDB é o partido da solidez política, que tem que se preparar ideologicamente para enfrentar este furacão de disputas", afirmou o ministro. "Temos que encontrar um caminho na abordagem da globalização. Os países que aderiram passivamente à globalização se deram mal, enquanto que os países que sabem praticar políticas próprias estão se dando bem", completou. Serra pediu que o PSDB continue sendo o partido da democracia "em todos os níveis." Ele recordou ter sido um dos fundadores do PSDB ao lado do então senador Fernando Henrique Cardoso, em 1988, "numa época em que não existia o liberalismo." Aos jornalistas que o abordaram, Serra evitou responder a perguntas sobre sua pré-candidatura à Presidência. Sobre a data ideal para a definição do candidato do PSDB, Serra afirmou que essa é uma decisão que cabe ao partido: "O que o partido resolver, para mim, está bom."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.