Serra ensaia campanha em Curitiba

O ministro da Saúde, José Serra (PSDB), ainda não assume a candidatura para a Presidência da República, mas nesta manhã, em Curitiba, teve algumas minutos de campanha. Depois de encerrar a solenidade de formatura de 4.321 atendentes de enfermagem do Projeto de Profissionalização dos Trabalhadores da Área de Enfermagem (Profae), ele desceu do palanque e foi ao encontro da multidão para conversar, dar autógrafos e tirar fotografias. À tarde, participou de solenidade na prefeitura de Curitiba. Ao se aproximar dos repórteres, ele foi pedindo para que não se fizessem perguntas de política. Mas abriu uma exceção respondendo às críticas feitas pelo governador do Ceará, Tasso Jereissati (PSDB), de que Serra estaria recebendo do presidente Fernando Henrique Cardoso um "arsenal" que daria força a sua candidatura. "O único arsenal que tenho é minha capacidade de trabalho e, em certas circunstâncias, a coragem de enfrentar barreiras, como no caso de medicamentos, de cigarros e até barreiras administrativas, como no caso de organizar um curso deste tamanho, no prazo de dois anos, para 220 mil pessoas", afirmou. Ao ser questionado sobre críticas de que eventos como o de hoje favoreceriam sua candidatura, Serra disse que tem trabalhado unicamente pela saúde. "Nossa motivação é atender a população, é melhorar a saúde no Brasil. Ainda falta muito para fazer isso, a saúde deixa muito a desejar", ressaltou. "Se as coisas são boas, elas são boas porque estamos trabalhando pela saúde", acrescentou. "As conseqüências de outra natureza não são nossa motivação, pode até acontecer, mas não é nossa motivação, não é nosso motor." Muito aplaudido pelas mais de 5 mil pessoas que ocuparam as dependências do Paraná Clube, ele lembrou ter feito investimentos em equipamentos, medicamentos e construções, mas ressaltou que considera mais importante a qualificação dos profissionais, que darão "mais calor humano". "O trabalho do Profae não acaba na formatura, não queremos nunca mais perder o contato com vocês, tem que ser para toda vida", discursou. Segundo ele, as ações do ministério, como o programa saúde da família, além de melhorar a saúde também têm gerado empregos, "que não é nossa missão". "Nossa obrigação é dar um sistema decente; falta muito, mas estamos caminhando", afirmou. "Hoje é melhor que ontem e amanhã será melhor que hoje." Serra também afirmou que seu objetivo é reduzir a desigualdade social. "Sempre haverá alguma desigualdade em relação à renda, mas não pode existir em educação e saúde", acrescentou. "Essa é a nossa orientação, é o grande objetivo de nossa luta." Na prefeitura, o ministro acompanhou o lançamento do programa Curitiba Rodando Limpo, que visa transformar pneus velhos em óleo combustível e gás, a partir de uma parceria envolvendo a prefeitura de Piraquara, Petrobras e a empresa BS Colway Pneus. O objetivo é reciclar 800 mil pneus de automóveis, que serão picados e misturados ao xisto, resultando em combustível. Serra disse que vai propor que outras empresas também adotem o sistema de recebimento de pneus velhos, o que pode diminuir a incidência de dengue.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.