Serra elogia decisão do TRE-TO em revogar censura

O candidato do PSDB a presidente, José Serra, elogiou hoje à noite na cidade paulista de Barretos, na região de Ribeirão Preto, o Tribunal Regional Eleitoral do Tocantins (TRE-TO), que derrubou a decisão que havia censurado o jornal O Estado de S. Paulo e outros veículos de comunicação na última sexta-feira. A pedido da coligação "Força do Povo", o desembargador Liberato Póvoa havia proibido a publicação de informações sobre a investigação do Ministério Público (MP) contra o governador Carlos Gaguim (PMDB), candidato à reeleição. "Parabéns ao TRE de Tocantins, pois era uma verdadeira aberração", disse Serra.

BRÁS HENRIQUE, Agência Estado

27 de setembro de 2010 | 20h54

O candidato tucano se mostrava indignado com a censura à imprensa. "Já está se culpando a imprensa pelos escândalos, porque ela denuncia, e vem o governo, o PT, esse pessoal, atacando a imprensa. E agora estava se amordaçando a imprensa", disse Serra, não deixando passar a oportunidade de criticar os adversários.

"O esquema no Tocantins é o que cerca a campanha do PT para governador, e eles estavam censurando a divulgação das notícias, haviam proibido que se dissesse o que estava acontecendo no Estado, que estava acontecendo aquela roubalheira desavergonhada", concluiu Serra. Pela manhã, em São Paulo, ele tinha citado que o caso era um "estelionato eleitoral" devido à censura ter ocorrido às vésperas da eleição.

Serra chegou a Barretos após passar por Presidente Prudente. Como chovia forte, não pôde visitar Araçatuba. Em Barretos, ele evitou falar sobre o debate de ontem, quando não fez perguntas mais contundentes à rival petista Dilma Rousseff. Alegou que a "dinâmica" do debate não permitiu questionamentos dele a Dilma. E evitou falar sobre a participação de Marina Silva (PV), que foi mais crítica.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.