Serra e Tasso se reúnem e discutem campanha

O candidato do PSDB à Presidência, José Serra, teve nesta terça-feira sua primeira conversa pessoal com o governador do Ceará, Tasso Jereissati, transcorridos um mês e muita intriga desde o lançamento de sua candidatura em 17 de janeiro. Serra aceitou um convite de última hora para encontrar-se com Tasso na madrugada desta quarta-feira, em meio a um jantar no Palácio da Alvorada com o presidente Fernando Henrique Cardoso e o governador de Pernambuco, Jarbas Vasconcelos, em que todos reafirmaram a intenção de compor uma aliança entre PSDB e PMDB na corrida sucessória.Assim que chegou à casa do ministro das Comunicações, Pimenta da Veiga (PSDB), por volta das 21 horas, Tasso ironizou logo os rumores de que jantaria com o presidente no Alvorada. ?Amanhã vão dizer que o encontro com o presidente foi cancelado, e eu vou aparecer na imprensa protestando, quando eu vim a Brasília para estar com vocês, e o jantar nunca existiu?, disse o governador, revelando-se tremendamente irritado com notícias e comentários ?sem cabimento? em torno de sua recusa em apoiar Serra.?Patrulhamento??O PSDB já escolheu seu candidato, o candidato é o Serra, e eu estou integrado nesta candidatura?, sentenciou o governador, dizendo que há muito renunciou à sua pré-candidatura. ?Está na hora de parar com o patrulhamento?, protestou. ?Se eu almoço com a Roseana (Sarney, governadora do Maranhão e presidenciável do PFL) é uma crise, mas o Dante (Oliveira, governador tucano do Mato Grosso) pode jantar com ela e tudo bem?, emendou, ao reforçar que é um homem de partido e que não apóia a candidata pefelista nem trabalha para enfraquecer a candidatura Serra.O encontro foi articulado pelo ministro Pimenta da Veiga, que assumirá em breve a coordenação da campanha de Serra e já está trabalhando para ampliar o núcleo paulista que comanda o partido e assessora o candidato. Daí a presença, no jantar, do presidente da Câmara, Aécio Neves (PSDB-MG), do governador do Pará, Almir Gabriel, do ex-governador de Minas Gerais Eduardo Azeredo e do líder do PSDB no Senado, Geraldo Melo (RN). Todos ex-tassistas, que aderiram à candidatura Serra.Tasso sugere convite a Serra?O que se viu no nosso encontro foi que não existem divergências em torno da candidatura Serra?, resumiu Geraldo Melo. De fato, foi o próprio Tasso quem destacou no encontro que ?é hora de cuidar da campanha?. Também partiu dele o questionamento da ausência de Serra. ?Por que a gente não chama ele para cá??Pimenta telefonou a Serra imediatamente, requisitando sua presença, e foi atendido de pronto, uma vez que o jantar no Alvorada estava no fim. Na conversa com o candidato e o governador Jarbas Vasconcelos, o presidente disse que vai passar uns dez dias em viagem no exterior e recomendou a todos muita conversa e atenção especial ao PMDB, porque as prévias peemedebistas para escolher um candidato a presidente podem dificultar muito a articulação da aliança.?Janelas abertas?Jarbas disse que fará tudo para desmontar as prévias e tentar ganhar o PMDB, que quer a vaga de vice na chapa de Serra. ?Mas tudo sem que seja dirigida uma só hostilidade ao PFL?, recomendou o presidente.Bem no espírito da reunião promovida por Pimenta, em que a tônica foi a conveniência de manter ?todas as janelas abertas?. Tanto que, logo na chegada, Serra fez questão de mostrar naturalidade diante de Tasso e de desmentir qualquer convite ao PMDB para compor a chapa presidencial.Briga é ?invenção??Não é adequado fechar uma chapa numa altura dessa?, disse Serra, segundo um dos presentes. Em seguida, o ministro disse que estranhava esta ?invenção? de briga dele com Tasso. ?Sempre nos demos muito bem e nunca nos desentendemos?, frisou.?Foi a reunião mais produtiva entre todas as que já tivemos?, avalia Aécio Neves. Segundo ele, esses encontros serão freqüentes a partir de agora, sempre visando a unidade partidária e o fortalecimento da candidatura tucana.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.