Serra e Roche não chegam a acordo sobre preço de remédio antiaids

Terminou sem acordo hoje o encontro do ministro da Saúde, José Serra, com o presidente do laboratório Roche no Brasil, Ernest Egli. Eles se reuniram a portas fechadas, por 1h40, no começo da noite, e deixaram a sede do Ministério da Saúde sem dar declarações à imprensa. A assessoria do laboratório suíço divulgou que um novo encontro será marcado para continuar a negociação em torno da redução de preço do remédio antiaids Nelfinavir, cuja quebra de patente chegou a ser anunciada por Serra.O governo brasileiro quer desconto de 40% no preço. Segundo a assessoria da Roche, a empresa só vai pronunciar-se após o fim da nova rodada de negociação. O Nelfinavir é distribuído pelo ministério a 25 mil dos 100 mil pacientes brasileiros que recebem o coquetel antiaids. O custo anual do governo com o medicamento é de R$ 221 milhões. O desconto de 40% significaria uma economia de R$ 88 milhões.A ameaça de licenciamento compulsório só foi possível porque o laboratório FAR-Manguinhos, da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), é capaz de produzir o Nelfinavir. Com base nesse conhecimento ? e nos custos envolvidos na produção do remédio ?, o ministério entende que a Roche tem condições de reduzir o atual preço em 40%.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.