Serra e Paulo Renato não comentam Malan

Os ministros da Educação, Paulo Renato Souza, e da Saúde, José Serra, cotados para concorrer à sucessão do presidente Fernando Henrique Cardoso, tentaram evitar comentar, hoje, a inclusão do ministro da Fazenda, Pedro Malan, na disputa. O nome do ministro passou a fazer parte da lista de presidenciáveis depois que FHC o convidou para filiar-se ao PSDB. Serra demonstrou irritação com a pergunta sobre a filiação de Malan. "Não falo sobre isso, não vim aqui para falar de política" disse. Diante da afirmação de que seu nome também estava bem cotado, afirmou: "Só quero ser forte como ministro."Já Paulo Renato elogiou a idéia de filiação de Malan, mas também se esquivou de falar em candidatura. "Convidar o Malan para o PSDB foi uma boa idéia, pois ele seria bem-vindo, como militante, em qualquer partido, mas candidatura ainda é uma questão em aberto." Segundo ele, o ministro da Fazenda tem uma folha de serviços prestados ao País, mas isso não o eleva à condição de presidenciável. "É uma pessoa que vem ajudando o presidente Fernando Henrique há oito anos e, para prosseguir na vida pública, tem que ser candidato, mas não necessariamente à presidência." Souza lembrou que Malan é do Rio de Janeiro, e pode ser candidato ao governo daquele Estado. "Tem também o Senado", acrescentou. Para ele, a filiação tem ainda que passar pelo crivo do PSDB do Rio. Ao ouvir nova pergunta sobre a candidatura Malan, retrucou com irritação: "Candidato a quê?"

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.