Serra é o principal nome do PSDB para a prefeitura de SP

O presidente nacional do PSDB, José Aníbal, disse hoje que o senador José Serra é o principal nome do partido para disputar a Prefeitura de São Paulo nas eleições do ano que vem. Segundo ele, a decisão depende de Serra. "Ele é uma possibilidade e, se houver a disposição dele de ser candidato, sem dúvida é o melhor nome", afirmou Aníbal.O tucano ressaltou que Serra está capacitado a disputar qualquer cargo, pois é uma liderança nacional do PSDB e tem sua competência reconhecida. "Se o Serra fosse presidente estaria fazendo não apenas o que está sendo feito hoje, mas muito mais, porque nós não teríamos que provar que a roda é redonda e, por isso, o desempenho seria seguramente mais eficiente, de maior resultado", disse ele.Aníbal aproveitou para alfinetar o presidente Luiz Inácio Lula da Silva. "Estamos a um ano e meio da eleição. E é o presidente Lula que anda lançando candidatos em São Paulo e em São Bernardo do Campo. Essa é uma característica do atual presidente, que faz campanha permanentemente." De acordo com ele, o PSDB está neste momento concentrado em governar oito diferentes estados, que representam mais da metade da população e do PIB do País.ReformasEm relação ao envio das propostas de reformas da Previdência e tributária pelo governo ao Congresso Nacional, Aníbal afirmou que o PSDB tem disposição de "acolher as propostas do governo, discuti-las, aprofundá-las, melhorá-las e aprová-las." O tucano, porém, disse que seu partido vai esperar o posicionamento do PT e da base de sustentação ao governo Lula. Ele ressaltou que é preciso primeiro "fazer sua mudança interna para poder apresentar o partido e a base de sustentação de modo unitário da direção das reformas", disse, em referência às divergências internas do partido do presidente.Para Aníbal, o PT fez uma mudança grande ao longo dos meses. "O PT ajoelhou no sentido de que o que se fazia não era um ato voluntário, mas uma necessidade para que o Brasil fosse parte da economia mundial. Mas quem ajoelha, tem de rezar e, portanto, tem que ele próprio fazer sua mudança interna", afirmou, acrescentando que a expectativa é de que os petistas consigam esse resultado.Na avaliação de Aníbal, a reforma tributária está mais formatada, pois representa um início de mudança no sistema tributário nacional. "Não chega a ser uma reforma, mas sim mudança no sentido de dar mais eficiência ao ICMS, dar produtividade a indústria, no que se refere ao Cofins, e a perenização da CPMF". Já em relação à reforma da Previdência, o tucano disse que é preciso aguardar o envio da proposta. "Não sabemos o que virá, quais são os números e as propostas que o governo vai apresentar", disse. Ele ressaltou que o PSDB é um partido reformista "desde antes da eleição do presidente Fernando Henrique Cardoso." O presidente nacional do PSDB participa na manhã de hoje de seminário que discute o início do governo Lula, na Câmara Americana de Comércio (Amcham), em São Paulo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.