Serra e Marta comparecem ao velório de Celso Furtado

A prefeita de São Paulo, Marta Suplicy, e o prefeito eleito José Serra se encontraram neste sábado à noite no velório do economista Celso Furtado, no Rio. Ela estava acompanhada do marido Luis Favre e Serra chegou com o deputado federal Alberto Goldman (PSDB-SP). Os dois conversaram por alguns momentos.Para a prefeita, Celso Furtado "era um grande pensador econômico; uma pessoa que pensava em propostas para países em desenvolvimento". Ela lembrou que nos anos 70, numa palestra na Universidade Sorbone, em Paris, o economista ele perguntado qual o grande o movimento social do século 20. "Para surpresa da platéia, ele disse que foi o Movimento de Libertação da Mulher", disse Marta.Lessa arrasadoO ex-presidente do BNDES Carlos Lessa também esteve no velório. Mais cedo, leu uma mensagem que recebeu do economista na última terça-feira e que só chegou neste Sábado às mãos dele. Na carta, Celso Furtado encorajava Lessa a suportar as pressões para sua demissão, que acabou sendo concretizada na quinta-feira. Na mensagem, Furtado dizia que tomou conhecimento tardiamente "da pressão que está sendo exercida sobre você para levá-lo a abandonar os ideais que unem as nossas gerações". "Estou certo de que você conduzirá a bom porto a luta pela defesa dos interesses nacionais. Receba o abraço e a solidariedade de Celso Furtado".Amigo de Furtado ao longo dos últimos 42 anos, Lessa se considera um discípulo do economista. A convivência começou quando Lessa foi professor do primeiro curso da Superintendência de Desenvolvimento do Nordeste (Sudene), que Furtado ajudou a fundar. "Estou arrasado. Celso Furtado era em síntese um brasileiro, com ´b´ maiúsculo, que andou pelo mundo inteiro e nunca se esqueceu que era brasileiro do interior da Paraíba", disse pouco depois de saber da notícia da morte do amigo.NordestinidadeLessa disse que não tinha conhecimento da versão de que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva teria conversado com Furtado sobre seu desligamento do BNDES. "Não sei disso", limitou-se a comentar. Para ele, entre Lula e Furtado há "denominadores comuns espantosos".Na visão do ex-presidente do BNDES, Lula e Furtado são nordestinos, que fizeram carreiras estelares, com a diferença que o economista era um rapaz da elite e o presidente "é do povão". "Ambos passaram a ser universais com esta nordestinidade", afirmou. "O sonho de Celso Furtado era de que o Brasil passasse a ser uma nação plenamente desenvolvida e justa socialmente. Estou convencido que é o mesmo sonho de Lula", afirmou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.