Serra e Alckmin se encontram mas não discutem candidatura

Embora sejam protagonistas da disputa pela candidatura do PSDB à presidência, o governador paulista, Geraldo Alckmin, e o prefeito paulistano, José Serra, procuraram demonstrar uma relação amistosa durante o evento da implantação do sistema de bilhete único de integração da CPTM na estação Barra Funda do Metrô, na tarde deste sábado. Indagado se a integração do sistema de transportes na capital paulista também é possível dentro do PSDB, Alckmin respondeu: "é claro que é, aliás é isso que nós buscamos, o entendimento, unidade partidária, para trabalhar pelo Brasil". Sobre a demora na definição da candidatura pelo prefeito de São Paulo, Alckmin disse que não considera nenhum problema. "E queria deixar claro que eu e o Serra estamos em posições diametralmente opostas, amanhã, no jogo do Santos contra o Palmeiras." Indagado se durante o evento havia conversado com Serra sobre política, Alckmin foi evasivo. "Conversamos sobre saúde, sobre aqui a integração, continua a processo de integração em outras estações do metrô."O prefeito também se mostrou amistoso com o governador. Serra, que chegou primeiro ao evento, pouco antes das 17 horas, foi às catracas do metrô recepcionar Alckmin, que chegou cerca de meia hora mais tarde. Ao lado de Alckmin, o prefeito disse que "essa integração anunciada hoje é uma conquista para a cidade. Eu só tenho aqui palavras de elogio ao nosso governador".Serra também procurou usar o tema do evento - a integração - para reforçar a idéia de união entre os governos estadual e municipal. Longe de comentar sobre sua decisão de ser ou não candidato pelo PSDB à presidência da República, Serra disse que a inauguração de hoje foi uma prova de que as parcerias funcionam. "Nós só poderíamos ter feito isso a partir do entendimento muito bom entre o governo estadual e a prefeitura, coisa que no passado nunca foi possível."O prefeito de São Paulo também corroborou a declaração dada pelo governador na quinta-feira passada, de que o presidente Lula é o "anti-Juscelino". "Ele é um anti-Juscelino porque é cinco anos em cinqüenta, nessa lentidão", disse Serra lembrando do legado desenvolvimentista do ex-presidente brasileiro (Juscelino Kubitschek) de "cinqüenta anos em cinco". Integração de transportesQuanto à integração do sistema de transporte na capital, Alckmin afirmou que o bilhete único está dando hoje mais um passo. "Nós tínhamos 23 estações já com validadores e já integradas, 15 da CPTM e oito da linha 2 do metrô e hoje mais oito estações, vamos para 31 estações, seis do metrô (linha 1 e linha 3) e duas da CPTM (Barra Funda e Júlio Prestes). E é um grande avanço, como disse o Serra, porque através do bilhete único o usuário pode andar duas horas no sistema metroferroviário, pode tomar três ônibus diferentes, dentro das duas horas, com apenas R$ 3. Então, cinco conduções com uma tarifa integrada, com um subsídio importante para ajudar a população com transporte de alta capacidade. Chegamos hoje a 31 estações, são 140 estações, estão faltando ainda 109." O governador afirmou que até maio todas as estações devem estar integradas com os validadores. "E nós teremos um grande ganho então de integração tarifária, metroferroviária que já tinha metrô e trem, agora com pneu, com os ônibus, tornando mais barata as viagens para a população. "O cartão é inteligente. Quando ele aciona a primeira passagem, começa a correr duas horas. Aí, se passar de duas horas tem que ter um novo crédito. É um grande ganho para a população de São Paulo."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.