Serra diz que PT exagera na avaliação do quadro eleitoral

O candidato do PSDB à Prefeitura de São Paulo, José Serra, em entrevista no Grupo Estado, afirmou que o Partido dos Trabalhadores (PT) está exagerando na avaliação de que a eleição paulistana é essencial para a definição do quadro político nacional. "Isso é um equívoco, a eleição tem importância, mas ela não é um plebiscito", declarou Serra.Questionado sobre sua contribuição para que o PSDB obtenha bons resultados nas eleições gerais de 2006, caso assuma a Prefeitura de São Paulo, o tucano afirmou que não há como prever com precisão nem imprecisão o que irá acontecer no Brasil porque "muita água vai rolar debaixo da ponte". "Sem dúvida, será um dado político importante que acabará fazendo parte das discussões, terá influência no rearranjo de forças no País. Agora, se terá uma influência determinante ou não, não sei. Só a experiência poderá mostrar", salientou.?Me convenci que era importante me candidatar?O candidato explicou porque aceitou concorrer à prefeitura. "Na vida pública, a gente não faz apenas aquilo que o coração manda. Vale o coração dos outros que te acompanham e vale também o da população, porque, por todo lado que eu andava, dentro e fora de São Paulo, o pessoal falava da importância de me candidatar e eu me convenci que era importante", disse.Indagado se este "coração dos outros" era uma referência a nomes importantes tucanos, como do governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, e do ex-presidente da República, Fernando Henrique Cardoso, e se este apelo poderia fazer com ele concorresse ao Palácio do Planalto em 2006, o candidato confirmou o esforço de Alckmin pela candidatura, negou que houve algum pedido de Fernando Henrique e reiterou que ficará, se eleito, na Prefeitura durante os quatro anos de mandato.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.