Serra diz que não pediu votos de deputados para Chinaglia

O governador de São Paulo, José Serra (PSDB), disse nesta sexta-feira ao Estado que não telefonou ao então candidato do PT à presidência da Câmara, Arlindo Chinaglia (SP), para reafirmar o apoio dos tucanos ao petista no segundo turno das eleições na Casa.Serra contou que se manteve distante da disputa de Brasília o tempo todo e que também não pediu para que deputados do PSDB votassem em Chinaglia. De acordo com sua versão, ele soube do resultado do primeiro turno da eleição por uma jornalista. "Imagina eu ligar para o Arlindo. Não tem sentido. Isso é uma mentira", afirmou. "Eu não pedi votos para ninguém", assegurou.A vitória de Chinaglia na quinta-feira foi atribuída por parlamentares de diferentes partidos ao apoio em massa do PSDB. Com o tucano Gustavo Fruet (PR) fora da disputa com Chinaglia e Aldo, deputados do PSDB decidiram aderir à candidatura do petista e acabaram definindo a eleição. Dos 98 votos recebidos Fruet no primeiro turno, 65 teriam ido para Aldo e o restante para o petista. No comando da campanha de Chinaglia, os articuladores afirmam que o apoio do PSDB se deu a partir da intervenção do governador de São Paulo. Segundo os petistas, tão logo fora configurado segundo turno, Serra telefonou para Chinaglia informando a posição favorável ao petista. A partir do suposto telefonema de Serra, o ex-líder do partido na Casa Jutahy Júnior (BA) teria procurado os tucanos ligados ao governador de São Paulo com a senha: "A águia pousou". Era a mensagem cifrada para que os votos fossem despejados em Chinaglia. Serra, no entanto, reiterou que de sua parte não houve qualquer interferência ou ordem para que os deputados votassem neste ou naquele deputado no segundo turno da eleição.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.