Serra diz que não inaugurará 'licitação', mas sim obras

O candidato do PSDB à Presidência da República, José Serra, disse ontem, em discurso no município metropolitano de Vitória de Santo Antão, que não vai inaugurar "licitação, pedra fundamental nem ordem de serviço", numa crítica ao governo Lula. "Juro por Deus, não vou", afirmou, ao lado do candidato ao governo de Pernambuco, Jarbas Vasconcelos (PMDB) e dos candidatos ao Senado Marco Maciel (DEM) e Raul Jungmann (PPS). "Eu vou inaugurar obras, nós vamos fazer acontecer".

ANGELA LACERDA, Agência Estado

07 de agosto de 2010 | 10h13

Pouco antes, no Recife, onde prestigiou a inauguração de comitê do senador tucano Sérgio Guerra, candidato a deputado federal, havia prometido fazer a refinaria Abreu e Lima, que Jarbas tem afirmado não sair do chão, e a ferrovia Transnordestina, que ainda está no seu início.

Em Vitória de Santo Antão, um dos poucos municípios que não aderiram ao governador e candidato Eduardo Campos (PSB), aliado de Lula e Dilma Rousseff, Serra discursou às 22h20, em um ambiente receptivo e de festa, mesmo com chuva, na inauguração de outro comitê aliado. Ali, afirmou ter uma arma importante, "a sinceridade, uma cara só, ideias claras, biografia de quem faz acontecer", para "enfrentar a máquina imensa que se espalha por todo o território brasileiro", numa batalha que considerou "difícil e dura" - "não é trivial, não".

"Este é o comício das pessoas que têm uma cara só", reforçou. "Jarbas Vasconcelos e eu podemos não ser bonitos, mas temos uma só cara em qualquer momento e situação". Ele destacou que no debate com os presidenciáveis, na noite da quinta-feira, uma das propositoras (referindo-se à Dilma Rousseff) mudou o nome de ações na área da saúde que já existem e apresentou como coisas que iria fazer. "Eles não fizeram em sete anos e meio mas eu fiz como prefeito e como governador", afirmou ao citar o programa Mãe Paulistana e os ambulatórios médicos de especialidades. "Vamos fazer o projeto Mãe Pernambucana com Jarbas", prometeu. "Mas eu não estou chamando isso de Projeto Cegonha, que nunca existiu, nem estou falando em abstrato", criticou. Lembrou que o projeto apresentado com este nome foi feito não somente por ele, mas pelo prefeito Beto Richa em Curitiba, candidato tucano ao governo do Paraná.

Em rápidas entrevistas nos dois eventos, Serra não comentou o resultado da pesquisa Ibope, que mantém Dilma Rousseff (PT) cinco pontos à sua frente. Mas lembrou que a campanha está no seu início e que sua energia está "quatro vezes acima da média". "Energia para trabalhar para o povo brasileiro e para o Brasil".

A visita de Serra a Pernambuco foi decidida ontem mesmo, quando percebeu que teria uma folga na agenda, depois de visitar Bom Jesus da Lapa, na Bahia, e antes de cumprir programação hoje em Belo Horizonte.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.