Serra diz que FHC não discriminava partidos ao liberar verbas

O presidente do PSDB e candidato à prefeitura de São Paulo, José Serra, considerou que o governo voltou com as velhas práticas políticas ao liberar recursos orçamentários para as prefeituras administradas por petistas e aliados. "É uma prática de interferência eleitoral, a tentação de fazer no Brasil o contrário da mudança. Tudo que havia de mais atrasado volta com mais rigor", disse Serra. Ele afirmou que este é um comportamento que não existia no governo do presidente Fernando Henrique Cardoso. "Pode perguntar ao governador (do Acre, do PT) Jorge Viana ou ao prefeito (de Aracaju, do PT) Marcelo Deda se houve discriminação na liberação de emendas", argumentou Serra. Serra afirmou que não considera que a liberação de recursos para a prefeitura de São Paulo em volumes muito maiores do que para outras capitais terá impacto na eleição. "Isso não funciona eleitoralmente. É fruto de velhas práticas políticas", disse. Serra está participando da inauguração da nova sede do PSDB em Brasília. No rápido discurso, ele afirmou que a nova sede não significa o começo mas sim uma continuação a exemplo do que o partido faz de estar sempre renovando. "É como se (o PSDB) inaugurasse sempre uma nova etapa. Vamos inaugurar uma nova etapa depois das eleições e outra em 2006", disse Serra. A nova sede do PSDB ocupa 600 metros quadrados num prédio comercial da Asa Sul em Brasília, onde a maior parte do espaço é ocupado por clínicas. Segundo o secretário geral do partido, Bismarque Maia (PSDB/CE), é o dobro do esp aço que o partido ocupava. Segundo Maia, o local foi um achado porque o aluguel é semelhante ao que o partido pagava por um espaço menor. "Somando o IPTU, o condomínio e o aluguel estamos pagando 40% a menos que pagavámos anteriormente. O aluguel é de R$ 15 mil", contou. Maia ressaltou que nesta nova sede estarão funcionando também as secretarias de prefeito e internacional, além do PSDB Jovem e do PSDB Mulher, que funcionavam separadamente da sede por falta de espaço físico.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.