Serra diz que decidirá candidatura no tempo adequado

O prefeito de São Paulo, José Serra, disse, neste sábado, durante inauguração de uma unidade de saúde na capital paulista, que ainda não definiu se será candidato a presidente e afirmou que tomará está decisão "no tempo adequado". O prefeito também não confirmou notícias veiculadas pela imprensa, de que se reunirá na segunda-feira com o presidente do PSDB, Tasso Jereissati, para tratar da candidatura, afirmando que ficou sabendo desta reunião "pelos jornais". Perguntado sobre a possibilidade de o PSDB realizar uma convenção para definir o nome do candidato, respondeu: "sem comentários". Sobre a decisão do TSE de manter a regra da verticalização das campanhas, José Serra afirmou que também soube da notícia pelos jornais. Limitou-se a comentar que "claro que a verticalização tem virtudes, mas eu não participei disso". CríticasO prefeito também aproveitou para criticar o governo de Luiz Inácio Lula da Silva. Afirmou que o governo federal suspendeu os mutirões na área da saúde "que tinham tão bons resultados" por eliminar filas e permitir melhor atendimento. A suspensão destes mutirões, afirmou, é "um atraso" para o País e a culpa não é tanto do atual ministro da Saúde, mas do governo Lula. Estes mutirões foram criados no governo FHC, quando Serra era ministro da Saúde. InauguraçãoSerra disse ainda que, na próxima segunda-feira, será inaugurado o hospital de M´Boi Mirim. O prefeito informou que o hospital ainda não está pronto, mas afirmou que está adiantando os procedimentos legais para dar o nome de Mário Covas ao hospital até a próxima segunda-feira, quando serão completados cinco anos da morte do governador. Serra também informou que está à disposição da população de São Paulo uma lista de 174 remédios genéricos para serem distribuídos, segundo ele a "maior lista de remédios gratuitos distribuídos por prefeituras do País".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.