Serra defende maior acesso da população aos medicamentos

O ministro da Saúde, José Serra, defendeu em seu discurso, na cerimônia de ampliação do Complexo Industrial de Laboratório Teuto Brasileiro (o maior complexo industrial farmacêutico da América Latina), que é preciso diminuir a desigualdade da população de baixa renda aos medicamentos. Segundo ele, 40% da população brasileira ganha até três salários mínimos, o que a impede de comprar até uma aspirina. O ministro ressaltou que a política nacional de medicamentos, implantada pelo governo Fernando Henrique, deve se basear na produção de medicamentos mais baratos e de boa qualidade. Ele destacou também que o Brasil hoje possui a melhor política de combate à aids dos países em desenvolvimento e lembrou a vitória obtida recentemente pelo governo brasileiro na reunião da Organização Mundial do Comércio, em Doha, onde foi acertada a flexibilização das patentes de medicamentos utilizados nos casos de saúde pública. "Eu não sou contra as patentes e sim aos abusos que decorrem delas em certos momentos", disse o ministro. Ele afirmou também que o custo dos laboratórios brasileiros que produzem medicamentos contra a aids é atualmente de 1/5 a 1/3 mais baixos que os laboratórios americanos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.