Serra dá menos espaço para área social, acusa PT

Bancada diz que PPA 2008-2011 beneficia setor de transportes e propaganda; governo contesta avaliação

Silvia Amorim, O Estadao de S.Paulo

06 Março 2008 | 00h00

Sob a gestão do governador José Serra (PSDB), áreas sociais como educação, habitação e segurança pública perderão nos próximos quatro anos espaço nos gastos do Estado, em comparação ao quadriênio 2004-2007. Por outro lado, o setor de transporte, que concentrará as grandes obras de visibilidade da administração, verá sua participação na divisão dos recursos crescer até 2011. O diagnóstico é da bancada do PT na Assembléia Legislativa, após comparar o Plano Plurianual (PPA) 2008-2011 enviado por Serra aos deputados em fevereiro à peça elaborada por seu antecessor, Geraldo Alckmin (PSDB).A avaliação não leva em conta os valores previstos para cada área, mas sim os porcentuais que devem abocanhar dos próximos quatro orçamentos (2008 a 2011). Para a oposição, o PPA evidencia as "intenções eleitorais" de Serra para 2010. O governador é um dos candidatos do PSDB para disputar a próxima eleição à Presidência. "É um bom planejamento para o objetivo eleitoral do governador", afirmou o líder do PT, Simão Pedro.Em nota, o governo disse serem "desonestas e irresponsáveis as afirmações do PT". A intenção de Serra é votar o PPA neste semestre.As Secretarias de Educação, Segurança Pública e Habitação, que no PPA da gestão Alckmin detinham quase 24% dos recursos previstos para 2004 a 2007, agora, no plano de Serra, têm 21,67%. Já a participação das Secretarias de Transportes e Transportes Metropolitanos cresce e passa de 7,18% do Orçamento para 11,62%. O mesmo ocorreu com a área de publicidade e propaganda. Serra prevê no PPA R$ 720,3 milhões, enquanto Alckmin propôs R$ 122 milhões no seu e acabou gastando R$ 225,6 milhões.NÚMEROSNas contas da oposição, a perda de espaço representa, em valores, R$ 5,83 bilhões para a Educação e R$ 840 milhões para a Segurança Pública. Esse é o montante que as pastas teriam a mais se Serra tivesse mantido o porcentual de recursos proposto por Alckmin. A previsão é que a Educação receba R$ 56,8 bilhões entre 2008 e 2011 para custeio e investimentos. No PPA anterior, foram R$ 41,5 bilhões.Há situações em que a redução não é só porcentual, mas representará menos dinheiro, de fato, nos próximos quatro anos. É o caso da ações de combate às enchentes. No PPA de Alckmin foram orçados em R$ 749 milhões para piscinões. Serra prevê R$ 656 milhões.O PT criticou ainda a apresentação do plano de Serra. "A peça não traz os investimentos detalhados por secretarias, como fez Alckmin, nem uma análise do cenário da economia paulista para o próximo quadriênio", reclamou o deputado Mario Reali.A Secretaria de Planejamento informou que não haverá diminuição de gastos na área social e acusou a oposição de distorcer os números para "induzir a uma interpretação equivocada". De acordo com o governo, na saúde, o aumento é de R$ 14,7 bilhões em relação ao PPA de 2004 e, na segurança pública, de R$ 12,5 bilhões.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.