Serra critica PT no governo federal e festa petista por dez anos no poder

Tucano diz que adversários 'inventam o que não houve' para atacar PSDB

Bruno Boghossian, de O Estado de S. Paulo

20 de fevereiro de 2013 | 23h03

O ex-governador paulista José Serra (PSDB), criticou a gestão do PT no governo federal e disse que o partido "inventa o que não houve para esconder o que houve" ao comparar as administrações petistas com o governo do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB). O tucano afirmou que o PT acumula fracassos na Presidência da República e "reinventa o passado de seus adversários" para atacar outros partidos. 

"A mentira tem sempre uma face dupla, frequentemente ignorada: inventa o que não houve para esconder o que houve. No poder, o PT teve de negar a si mesmo, elevando o estelionato eleitoral à categoria de arte. Só que isso exigiu reinventar o passado de seus adversários", disse Serra, que disputou a Presidência da República pelo PSDB em 2002 e em 2010, derrotado pelos petistas Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff, respectivamente. Segundo aliados, ele estaria disposto a concorrer mais uma vez ao comando do governo federal. 

Nos últimos dias, tucanos atacaram o discurso adotado pelo PT para comemorar os dez anos de sua chegada ao governo federal, comparando o desempenho petista na Presidência ao período comandado pelo PSDB. Para Serra, que foi ministro do Planejamento e ministro da Saúde de FHC, a gestão petista é marcada por uma "incompetência orgulhosa".

 "Em seus dez anos no poder, os fracassos do partido são um sucesso. Nunca antes na história deste país a incompetência foi tão orgulhosa, tagarela  e influente. Como os petistas conhecem o caminho para remunerar o elogio e punir a crítica, os insucessos vão se acumulando, o futuro vai sendo empenhado para minimizar os danos presentes, e o país já reserva o seu lugar na fila do atraso", declarou o ex-governador tucano.

 Serra também afirmou que, ao fazer um retrospecto das últimas administrações federais, os petistas desprezam o desempenho de seus adversários.

 "Para a sorte deles, e do Brasil, o PT  não teve a chance de governar com o programa que tinha em 1989, em 1994, em 1998 e em 2002. Nestes três mandatos, chega a ser comovente a constância com que desprezaram todas as qualidades dos seus adversários, sem deixar de invejar um só defeito", disse.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.