Serra critica protecionismo norte-americano sobre o etanol

O governador de São Paulo, José Serra (PSDB), criticou nesta quarta-feira a sobretaxa sobre o etanol brasileiro imposta pelos norte-americanos. "Os Estados Unidos pregam o livre comércio. Mas quando é da sua conveniência, deixam o livre comércio de lado. Há uma contradição dos EUA nessa matéria (etanol)", afirmou o governador, após participar do lançamento do novo programa paulista de Saúde da Mulher.Serra destacou que não sabe se terá oportunidade de conversar com o chefe de Estado norte-americano George W. Bush sobre esta questão na visita que ele fará ao Brasil na quinta e sexta-feira. "Sou apenas o convidado para o almoço, que vai ocorrer entre Bush, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva e outras autoridades, e não o promotor (do evento). Se for chamado a falar, eu falarei", emendou. Segundo ele, a questão básica em torno do etanol neste momento são as tarifas norte-americanas.O governador disse que o tributo incidente sobre cada galão do etanol brasileiro, em torno de US$ 1,08, é prejudicial também aos consumidores norte-americanos, que poderiam estar pagando um produto mais barato. Ele acredita que há espaço para o Brasil entrar nesta batalha, pela redução do protecionismo norte-americano sobre o etanol. "O Brasil tem a economia mais aberta do que a americana. A economia brasileira está entre as cinco ou dez mais abertas do mundo, porque não há expediente de protecionismo não-tarifário (taxas especiais de cotas), como há nos Estados Unidos", reiterou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.