Serra critica espionagem e presta 'solidariedade' a Dilma

Governador usa rede social para questionar conduta do governo norte-americano e diz que monitoramento atinge a 'todos os brasileiros'

José Roberto Castro - Agência Estado

04 de setembro de 2013 | 15h09

O ex-governador de São Paulo José Serra (PSDB) prestou solidariedade à presidente Dilma Rousseff no caso das espionagens feitas "de maneira ilegal e ilegítima" pelos Estados Unidos. Em sua página no Facebook, Serra afirmou nesta quarta-feira, 4, que as espionagens não atingiram apenas o governo, "mas todos os brasileiros".

Com duras críticas ao governo norte-americano, Serra disse que justificativas formais não valem e que a "surrada invocação do combate ao terrorismo" não podem abonar as arbitrariedades praticadas pelos Estados Unidos. "O governo do presidente Obama é o responsável. Pistas sobre o terrorismo mundial em SMS ou e-mails da Dilma? Ridículo", escreveu Serra em sua conta no Facebook, que não tinha posts do ex-governador desde o dia 14 de agosto, quando criticou o projeto do trem bala do governo federal.

No domingo, o programa Fantástico, da TV Globo, revelou que comunicações entre a presidente e seus assessores também seriam monitoradas pela Agência Nacional de Segurança Nacional dos Estados Unidos (NSA).

Ao final do texto, Serra questiona a postura americana e se diz alarmado com a conduta dos EUA. "Quais serão os limites desse poder?"

O post do governador causou reações diversas entre os internautas. Alguns elogiaram o texto por entender que Serra deixou de lado a disputa entre PT e PSDB neste caso. "Oposição a governo não significa se opor à existência do estado", escreveu um internauta. A maioria, porém, composta por eleitores do tucano ou contrários ao governo petista, se disse decepcionada pelo registro de apoio. "Se de fato pensa assim é uma decepção saber que sua visão está meio Lulopetista", escreveu.

A seguir, a íntegra do post de Serra:

Presto aqui minha solidariedade à presidente Dilma pela espionagem de que foi alvo, revelada no último domingo pelo Fantástico da Rede Globo. É inaceitável que os Estados Unidos, de maneira ilegal e ilegítima, espionem ligações telefônicas, mensagens de celular e de correio eletrônico de um chefe de estado democraticamente eleito.

Os patrocinadores de tais atos, inadmissíveis, não atingiram apenas o Governo, mas todos os brasileiros.

Não valem agora justificativas formais para um ato tão ofensivo. Também não é aceitável a surrada invocação do combate ao terrorismo a fim de abonar as arbitrariedades dos órgãos de segurança americanos, dos quais o governo do presidente Obama é o responsável. Pistas sobre o terrorismo mundial em SMS ou e-mails da Dilma? Ridículo.

Mais ainda, ampliando o tema, fico alarmado com esse papel que a democracia norte americana está se atribuindo: de gendarme do mundo. Acontecem coisas lamentáveis num país e as forças armadas dos Estados Unidos vão intervir? Quais serão os limites desse poder?

 

Mais conteúdo sobre:
espionagemSerraDilmaObama

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.