Serra critica ação do governo federal na crise financeira

"Não somos uma ilha de tranqüilidade num mar de turbulência." A declaração foi feita hoje pelo governador de São Paulo, José Serra (PSDB), ao destacar que o Brasil tende a ser atingido pela crise internacional, e contradiz a avaliação feita nos últimos dias pelo governo federal. "Não sabemos em que proporção, mas o Brasil tem duas vulnerabilidades, o déficit em conta corrente ascendente e a expansão exagerada dos gastos correntes", afirmou ele, no Recife. "Para dar conta dos aumentos que se estão dando agora e se programando para o futuro, a receita real tributária no Brasil teria que crescer 9% ao ano, real", afirmou. "O quadro fiscal é complexo, não tem Lei de Responsabilidade Fiscal na esfera federal." De acordo com o governador paulista, estas fragilidades da economia se destacam quando comparadas com outros países emergentes. Hoje, porém, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva afirmou, em entrevista à imprensa, que a crise financeira é "muito séria" e pode ter impacto no País. "Poderemos correr riscos porque é uma recessão em caráter mundial e pode trazer prejuízos para todos nós." Mesmo assim, o presidente disse que o Brasil está "precavido".Segundo o governador de São Paulo, o governo federal está começando a gastar reservas para manter o valor do real "claramente sobrevalorizado, diria hipervalorizado". Na sua avaliação, foi até agora "um equívoco" da gestão econômica do governo Lula ter promovido desnecessariamente uma sobrevalorização exagerada, que "neste momento, evidentemente, cobra seu preço". Para ele, a tendência é desvalorizar e o governo deverá ficar subindo juros mais ainda para poder segurar o dólar, "como se fosse um objetivo em si", enquanto começa a queimar reservas. "A China, aliás, os países em geral não estão torrando suas reservas, o Brasil começou a fazer isso, espero que não continue", afirmou Serra.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.