Serra contesta pesquisas e fala em 'empate técnico'

Tucano citou Vox Populi e Sensus como 'alugados' e disse ver nos outros 'problemas metodológicos'

Angela Lacerda, da Agência Estado

27 de outubro de 2010 | 17h31

RECIFE - O candidato tucano à Presidência da República, José Serra, desconsiderou hoje, na sua quinta visita a Pernambuco nesta campanha, as pesquisas eleitorais que indicam a sua adversária, Dilma Rousseff (PT), com mais de 10 pontos porcentuais à frente na preferência do eleitorado brasileiro. "Acho que de fato há um empate técnico", afirmou o tucano, em entrevista ao radialista Geraldo Freire, da Rádio Jornal, declaração que repetiu depois em entrevista na Radio Folha e a jornalistas.    

 

 

Veja também:

 

linkGuerra, do PSDB: 'não há muito a fazer nos últimos dias'  

Ele citou os institutos Vox Populi e Sensus como "alugados" e, mesmo não destratando o Ibope e o Datafolha - este considerado por ele "talvez o mais independente" -, disse que "mesmo no caso dos outros, há problemas metodológicos". "Não tem nada mais errado no Brasil do que pesquisa", reforçou o candidato, ao lembrar de eleições cujos resultados foram diferentes do que indicavam as sondagens. "Pesquisa é furada e isso no futuro vai ter de ser examinado."

Serra criticou a postura do presidente Luiz Inácio Lula da Silva na eleição e disse que neste segundo turno ele "passou dos limites". Reiterou que Lula deixou de governar e "ficou todo jogado para eleger Dilma", como se fosse uma questão de poder pessoal. Destacou que ninguém consegue governar de fora e que se a petista for eleita, "vai ficar tudo na mão dela". "Não há no mundo nem na história do Brasil um exemplo desse tipo que tenha funcionado, um presidente largar o governo para eleger o sucessor e ficar governando na sombra."

O tucano voltou a acusar o PT de fazer uma campanha baseada em mentiras contra ele e afirmou que Lula não diz a verdade ao afirmar que Serra não dará continuidade ao que o presidente fez no governo federal. Para Serra, a fala do presidente tem "motivos puramente eleitorais", dentro "dessa cisma que tem que ganhar de qualquer maneira". "Ele sabe que vou continuar", disse.

Metrô

Sobre o caso do Metrô de São Paulo, que teve licitação suspensa por denúncia de cartas marcadas, Serra não considerou necessária uma investigação na gestão. Indagado o motivo, respondeu a pergunta com ataques ao governo federal do PT que, segundo ele, faz "publicamente, abertamente" proposta de concorrência acertada. Ele citou as hidrelétricas de Belo Monte e Jirau.

O candidato lembrou escândalos que rondam o governo federal - desde o mensalão à acusação de um banco alemão estatal que, segundo ele, acusa Dilma Rousseff e o diretor da Eletrobras, Valter Cardeal, de ter dado um golpe de mais de 100 milhões de euros. Serra ainda afirmou que "está acontecendo um escândalo" no Brasil, que é o da inflação nos alimentos. Observou que o preço do feijão aumentou 60% desde julho, o arroz 23% e o leite, 22%.

Nordeste

Diante da ausência de Dilma no debate do primeiro turno para discutir o Nordeste e no que estava programado para hoje à noite, na Bahia - e que foi cancelado diante da negativa da candidata em participar -, o presidenciável tucano disse que a adversária não dá a devida importância à região.

Sobre a campanha do governador de Pernambuco, Eduardo Campos (PSB), aliado de Lula que pede o voto do eleitor em Dilma para garantir os compromissos com o Estado, Serra disse que o Campos sabe, "na sua intimidade, que isso não é verdade". "Ele vai estar melhor comigo na presidência do que com Dilma."

O tucano afirmou não serem promessas de campanha, mas "anúncio", o aumento do salário mínimo para R$ 600 e o 13.º salário do Bolsa Família. Sobre o futuro da economia, disse que o governo tem de estar de olho no futuro, "porque o Brasil está com um déficit no exterior que é o maior da história". "Estamos pegando emprestado furiosamente do exterior ao contrario do que se diz", afirmou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.