Ernesto Rodrigues/AE
Ernesto Rodrigues/AE

Serra comenta divulgação de dados de paciente pela Prefeitura

Para o candidato, prontuário só foi divulgado porque o 'Estado' solicitou informações

Bruno Boghossian, de O Estado de S. Paulo

28 de agosto de 2012 | 19h37

Questionado sobre a divulgação pela Prefeitura de dados de um paciente do sistema de saúde de São Paulo, o candidato do PSDB a prefeito, José Serra, afirmou que as informações só foram abertas porque o Estado as solicitou. Reportagem publicada nesta terça-feira, 28, revelou que a administração municipal abriu dados do prontuário de um caminhoneiro para expor um erro no programa eleitoral de Fernando Haddad (PT).

"O Estadão ligou para a Prefeitura e pediu informações, e depois fez onda com isso", disse Serra.

A equipe do Estado questionou na segunda-feira, 27, a Secretaria Municipal de Saúde sobre a informação divulgada pelo programa de Haddad, em que o caminhoneiro José Machado reclama sobre a falta de atendimento e diz que aguarda há dois anos para fazer uma cirurgia de catarata. A assessoria de impresa da secretaria informou, na ocasião, que havia consultado, antes do contato do Estado, os dados do paciente na Unidade Básica de Saúde Guaianases 1 e no ambulatório de especialidades Jardim São Carlos. O órgão informou então que a "hipótese de diagnóstico" não era catarata, mas pterígio - o crescimento do tecido sobre a córnea.

"E daí? O fato é o seguinte: o jornal ligou, pediu informações e depois acusou a Prefeitura de ter divulgado a informação - e deixou de lado a questão essencial, que é: houve ou não houve mentira? Isso o Cema está estudando. É um centro de medicina avançada importante que vai se manifestar a esse respeito", afirmou Serra.

Segundo especialistas, a divulgação de dados médicos sem autorização do paciente configura quebra de sigilo.

Marta. Serra disse que achou "normal" a entrada da ex-prefeita e senadora Marta Suplicy (PT) na campanha de Haddad. "Não vejo nada. Eu esperava que isso fosse acontecer. É normal que a Marta entrasse. Já estava precificado", afirmou.

O candidato do PSDB visitou nesta terça-feira, 28, a região da Capela do Socorro, na zona sul da capital paulista. Lá, estabeleceu como meta a despoluição de mais de 100 córregos nos próximos quatro anos, em parceria com o governo do Estado.

"Nos anos anteriores, nós já economizamos mil litros de esgoto por segundo, que agora vão para tratamento, o que despolui a represa de Guarapiranga. Vamos, inclusive, despoluir os 14 córregos que hoje contaminam a represa", disse.

Serra também destacou que as famílias que vivem em área de risco às margens dos córregos receberão "moradia decente". Nesses locais, serão construídos parques lineares.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.